Matrículas abertas de 18/Abril a 20/Abril para o novo curso online EAD de Economia para Investimentos

Um curso online EAD que trata dos conceitos fundamentais de economia necessários para investimentos bem sucedidos no mercado financeiro. As aulas se dividem em dois grandes blocos: i)analise econômica básica e ii)ativos financeiros e ambiente de risco. O curso não requer conhecimento prévio em economia ou finanças. Nesse curso passo toda minha experiência de mais […]

Como lucrar com o estouro da bolha americana

O episódio da bolha imobiliária americana que estourou em 2008 é um belíssimo exemplo de funcionamento dos mercados financeiros e de como se ganhar ou perder dinheiro investindo nos mercados de ações, títulos e derivativos. Alimentada por uma expansão violenta do crédito, política de juros baixos de Alan Greenspan e pela desregulamentação financeira dos últimos […]

O comércio mundial visto como uma rede

A rede acima ilustra o mercado total de blown glass (produto top 1 do Observatório do Complexidade Econômica) com todos os países conectados por suas arestas. Trata-se de uma rede com 133 nós e 962 links que conectam todos os países entre si segundo produto que vai do pais A para o país B medido por presença […]

A economia da padoca

Na economia da padoca a maioria das pessoas está empregada em pequenos comércios, restaurantes, cabeleireiros, padarias e farmácias. Não há grandes indústrias high tech, nem serviços empresariais sofisticados e escaláveis. Não há inovação tecnológica, nem novos produtos. Não há economias de escala nem economias de escopo. Em resumo: não há produtividade! Alguma semelhança com o […]

Galileo Galilei e a complexidade econômica 

Quando Galileo Galilei apontou seu telescópio para a Lua e depois Júpiter em 1610 ele revolucionou a ciência. Não só a astronomia, mas toda a forma de pensar científica. As contribuições intelectuais de Copérnico, Giordano Bruno e até mesmo as ideias de Johanes Kepler, contemporâneo de Galileu, podiam ser “vistas” e comprovadas. Foi um breakthrough empírico […]

Baumol explica porque a indústria é mais produtiva do que os serviços

Baumol dá uma explicação muito elegante para essa distinção: quando o trabalho é uma atividade fim (educação, saúde e lazer, que são “tecnologicamente NAO progressivas”) a mecanização e alcance de economias de escala é muito mais difícil, se não impossível; ao contrário das atividades em que o trabalho é uma atividade meio, por exemplo manufaturas que […]