A America Latina caminha para a Africa

A partir da crise da dívida no início dos anos 80, o padrão de crescimento dos países latino – americanos se distanciou de seu registro histórico. Países como Brasil e México que exibiam altas taxas de crescimento per capita até então entram num ciclo de “stop and go ” que persiste até hoje. Com a exceção do Chile e possivelmente Colômbia, o desempenho dos países da região nos 80 e 90 ficou muito aquém de seu desempenho histórico. Nesse período mais recente de crescimento cíclico e inflação fora de controle, dois elementos são comuns à maioria dos países- latino americanos: populismo e sobrevalorizações cambiais que se mostraram desastrosos para o desenvolvimento da indústria local. Os países da América Latina são conhecidos por sua longa tradição de populismo econômico que traz em seu bojo descontroles orçamentários, inflação e ciclos de apreciação cambial. Crises no balanço de pagamentos e processos inflacionários crônicos são constantes latino-americanas. A sobrevalorização cambial e a indisciplina fiscal foram dois ingredientes básicos em sua história recente, especialmente quando comparados com países do leste e sudeste asiático. Os ciclos de apreciação cambial decorrentes dos episódios populistas e de estabilização tiveram graves conseqüências no desenvolvimento do setor de bens comercializáveis não tradicional da região.



 

1 thought on “A America Latina caminha para a Africa”

  1. Em valores adicionados por paridade de poder de compra totais per capta, por habitante, a indústria brasileira e sul americana é metade da italiana, inglesa, francesa, espanhola.
    Mas é quatro vezes menor que a dos EUA, Japão, Alemanha e Coreia do Sul (os vencedores do capitalismo em produtividade industrial).
    Quase empata com a China.

    Eu acho que olhar a quantidade de valor adicionado (PPP) também é importante

    Mas concordo, o Estado brasileiro e dos outros países da América Latina tem de tomar uma providência e começar a investir pesado políticas industriais.

Deixe uma resposta