Alemanha e Brasil: qual a diferença principal? 

Na Alemanha, dos 80 milhões da população, 41,5M (51,8%) trabalhavam em 2011. Dos que trabalhavam, 17,52% estavam na industria e 15,34% nos serviços empresariais e financas. Ou seja quase 36% em empregos nobres do tipo engenharia, design, marketing, IT, gestão, todos eles com grandes economias de escala e alta qualificação. No Brasil, para uma população de 200M em 2011, 105M (52,5%) trabalhavam em 2011. Desses 10,6% estavam na industria, bem mais low tech em relação a Alemanha e 10,5% em servos empresariais e finanças, também menos high tech do que na Alemanha. O Grafico acima mostra isso com somatório de empregos industriais + serviços sofisticados no eixo Y e complexidade da estrutura produtiva no eixo X. Ser pobre equivale a não ter complexidade economia nem empregos de qualidade.

Tomemos por exemplo o estado alemão de Baden-Wurttemberg que conta com 10 milhões de habitantes e produz o equivalente ao PIB norueguês e 3x mais do que o PIB português. O que se produz lá que faz com que as pessoas sejam tão ricas e eficientes? Ouro? Muito pelo contrário. A produção de riquezas naturais e agricultura é praticante irrelevante por lá. Seriam os restaurantes, as farmácias, hospitais, shopping centers e cabeleireiros a fonte de tanta produtividade e riqueza? Também não. A grande fonte de riqueza e produtividade desse estado está na produção de bens transacionáveis sofisticados. Aí se baseiam companhias como Porsche, Hugo Boss, Zeiss, Mercedes e SAP e inúmeras outras nas áreas de mecânica de precisão e maquinaria . O estado não é rico graças aos seus recursos naturais, é rico por conta de sua rede produtiva altamente sofisticada que abastece o mundo inteiro com bens transacionáveis complexos. Ainda na mesma região, no estado vizinho da Bavaria os destaques são:  BMW, Audi, Siemens, Continental, MAN, Puma e Adidas.

Uma maneira simples para se entender o que é desenvolvimento econômico é pensar em termos de sofisticação produtiva. São ricos e desenvolvidos aqueles países capazes de produzir e vender no mercado mundial bens complexos e sofisticados. São pobres aqueles apenas capazes de produzir e vender coisas simples e rudimentares. Por isso o desenvolvimento econômico pode também ser entendido como a capacidade de uma sociedade de conhecer e controlar técnicas produtivas, especialmente nos mercados mundiais mais relevantes (o que os economistas chamam de bens transacionáveis).

7 thoughts on “Alemanha e Brasil: qual a diferença principal? ”

  1. O nível de educação é muito baixo aqui. A área de TI, por exemplo, poderia ser muito maior se houvesse gente com um nível mínimo de qualificação. A escola básica mal está alfabetizando…

      1. Outra coisa que não entendo. Muito frequentemente, a mesma peça automotiva, fabricada pela mesma empresa, tem qualidade inferior no Brasil em comparação com a peça importada, seja da Alemanha ou da Itália, pra ficar nestes 2 países. É muito estranho…

      2. Educação não basta, mas é um recurso que impede. Paul Graham tem uma palestra sobre “How to Be Silicon Valley”, comparando vários lugares dos EUA e pq não conseguem copiar o Vale do Silício. Vale vários insights…

Deixe uma resposta