Os violinistas não vão liderar nosso processo de desenvolvimento econômico: eles tocarão nossas almas

Nossos médicos e enfermeiras não serão produtivos, eles cuidarão de nossa saúde. Nossos professores não serão rápidos e eficientes, eles nos trarão o conhecimento necessário para progredir. Ainda bem! Como destacava o economista William Baumol, a produtividade de todas estas atividades é a mesma em qualquer país do mundo: Japão, EUA, Brasil e Nigéria. São atividades nobres, em que o trabalho é o fim e não o meio. Essas a característica dos chamados serviços não escaláveis. De onde então virá nossa produtividade?

Da produção dos bens, responde Baumol. Das manufaturas, da agricultura e das commodities. Aí está a verdadeira fonte de produtividade de uma economia: mecanização, economias de escala e de escopo. Da agricultura empresarial e commodities não podemos esperar muito pois o nível de emprego gerado por esses setores é muito baixo. Todo o peso recai então sobre as manufaturas e os serviços empresariais escaláveis. Vale a pena ler o livro de W. Baumol abaixo para entender as diferenças entre essas atividades "produtivas"!

mapa da produtividade do trabalho para o Brasil nos diversos setores abaixo:

1 thought on “Os violinistas não vão liderar nosso processo de desenvolvimento econômico: eles tocarão nossas almas”

Deixe uma resposta