Juros devem seguir caindo por um bom tempo no Brasil

Por que o mundo não cresce mais como antigamente? Dois fenômenos da última década ajudam a explicar essa nova estagnação secular: excesso de divida e excesso de oferta. A explosão do endividamento publico e privado vem já desde os anos 90, tendo certamente os EUA como motor principal. O motor da renda foi substituído pelo […]

Minas e poços de petróleo: Australia, Chile, Arabia Saudita, Kuwait, Noruega, Qatar e Emirados Arabes

Alguns países tem uma base de recursos naturais desproporcionalmente grande em relação ao tamanho da população. Nesses casos e’ possível produzir uma alta renda per capita com baixa complexidade econômica, ou seja, sem sofisticação do tecido produtivo. Alguns desses países foram alem da simples extração de recursos naturais e conseguiram desenvolver um setor de serviços […]

O tipo de especialização produtiva importa na trajetória de desenvolvimento econômico

Existe no país hoje, e desde sempre, duas grandes correntes de economistas com visões de mundo bem distintas acerca do desenvolvimento e crescimento. Para o grupo dos chamados ortodoxos o desenvolvimento econômico tende a ser um processo natural e que depende basicamente de boas políticas internas, tais como: governo parcimonioso que não tribute demais, bom […]

As fases do desenvolvimento de um país: agricultura, serviços não sofisticados, indústria e serviços sofisticados

Bob Rowthorn, dentre muitos outros economistas, analisou de maneira interessante o passo a passo do desenvolvimento dos países ou as fases do crescimento econômico. Num primeiro momento as economias pobres empregam a maioria de seus trabalhadores na agricultura. O progresso se da num segundo momento pela industrialização, trabalhadores são transferidos dos setores agrícolas de subsistência […]

O Brasil tem baixa produtividade agregada pois emprega pessoas em setores não sofisticados e de baixa complexidade

A tabela abaixo mostra o total de empregos ou ocupações no Brasil de 2011 divididas por subsetor de atividade econômica em comparação com outras economias do mundo, ricas e pobres (tabela completa no final do post). As atividades econômicas estão classificadas segundo 9 macro-setores: agropecuária, indústria extrativa, indústria da transformação, construção civil, serviços sofisticados (empresas, financeiros e imobiliários) […]

A analise qualitativa de produtos é fundamental para entender o desenvolvimento econômico

As atividades com altos retornos crescentes exibem fortes externalidades de redes e dinâmicas de aglomeração onde os “first movers” ganham posição de destaque no mercado. São dinâmicas com lock in e portanto “path dependent”. O filet mignon da produtividade está nessas atividades “complexas”. O resto é commodity e serviços não sofisticados. Os serviços sofisticados dependem […]

Baumol, Balassa, Samuelson e Kaldor alertam: cambio errado no Brasil de novo!

O gráfico acima mostra a relação entre renda per capita e preço do big Mac em dólares no mundo calculados pela revista The Economist (http://www.economist.com/content/big-mac-index) quanto mais rico o pais, maior o preço em dólares dos bens non tradables e, portanto, maior o preço do big Mac em dólares. Alguns países destoam para cima ou […]

Como explicar a grande crise do governo Dilma?

A alavancagem de crédito (imobiliário e não imobiliário) provocou um boom de consumo e um boom de construções imobiliárias, resultando em grande aumento de endividamento e oferta de imóveis. Os investimentos foram todos direcionados para o setor de non-tradables (prédios comerciais, residenciais e shopping centers). As desonerações agravaram o problema injetando demanda agregada e complicando […]

Explicação da riqueza e pobreza dos países no mundo em um único gráfico: produtividade nas exportações

A Dinamarca empregava 414.000 pessoas nos setores de manufaturas, mineração e agricultura e exportava U$88,4 bilhões em 2010, U$213.000,00 per capita exportado no ano. O Senegal empregava 2.673.000 nesses mesmos 3 setores e exportava U$2,5 bilhões em 2010, U$939,00 por ano per capita. Uma diferença de 230x. Claro que parte do que se exporta e’ […]

A grande crise cambial do plano do real

Brasil, 13 de Janeiro de 1999. O Banco Central brasileiro manda comunicado para o mercado de câmbio brasileiro avisando que não mais iria intervir para segurar nossa taxa. Chegava ao fim nossa âncora cambial implantada em setembro de 1994 para ajudar na estabilização de preços do plano real. Depois de algum crescimento, nossas contas externas […]

O governo Dilma antes da crise

O gráfico acima mostra a evolução da absorção doméstica da economia brasileira no pós crise de 2008 (consumo das famílias, gastos do governo e investimento). A taxa de 10% ao ano era claramente insustentável, com ampliação de 8% do PIB e o restante sendo financiado por deficit externo com explosão das importações. A alavancagem de […]