Prebisch e Furtado, dois expoentes do pensamento econômico latino-americano

* escrito com Igor Rocha

Raul Prebisch e Celso Furtado foram, sem dúvida, os dois maiores economistas do pensamento latino-americano. Com Prebisch à frente de um grupo de economistas destacados, a Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) deu origem a insights e explicações notáveis sobre as causas do subdesenvolvimento latino-americano. Os autores estruturalistas latino-americanos desafiaram a teoria neoclássica por meio de uma crítica do comércio internacional vigente. Por meio de uma crítica aguçada da economia neoclássica e de sua ideia de que a especialização baseada em vantagens comparativas, qualquer que fosse sua natureza, era uma solução superior para o crescimento econômico, a escola estruturalista latino-americana deu à luz uma importante interpretação em que a estrutura produtiva importa para o ritmo e o escopo do processo de desenvolvimento. Ao comparar economias produtoras de commodities com países industrializados, Prebisch (1949) observou que a produtividade era essencialmente mais elevada no setor industrial do que em atividades primárias. Também Furtado (1959, 1961) analisou essa dicotomia quanto aos níveis de produtividade entre a estrutura produtiva dos países desenvolvidos (centrais) e subdesenvolvidos (periféricos).

Em países desenvolvidos, o crescimento dinâmico é puxado pelo progresso técnico, ao passo que, em países subdesenvolvidos, é determinado predominantemente pela demanda externa por importações. Enquanto os países centrais internalizavam novas tecnologias através do desenvolvimento de um setor de bens de capital industriais e da difusão da tecnologia aprimorada a todos os setores econômicos, os periféricos permaneceram dependentes de tecnologia importada que, por sua vez, ficou em principal medida restrita ao setor exportador primário. Consequentemente, um significativo setor pré-capitalista de baixa produtividade sobreviveu na periferia, produzindo um superávit contínuo de mão-de-obra e, assim, mantendo baixos os salários. Na ausência de processos de industrialização, a assimetria entre centro e periferia não só se perpetuaria, mas se aprofundaria (ver Gala, P., Magacho, G. e Rocha, I. 2016).

Embora diversos autores tenham contribuído para o paradigma estruturalista latino-americano, as ideias originais de Prebisch foram centrais para o lançamento de uma perspectiva crítica da abordagem neoclássica à lucratividade mútua do livre comércio entre países desenvolvidos e em desenvolvimento. Segundo seu pensamento, uma característica econômica estrutural fundamental das economias periféricas se refere à deterioração de seus termos de troca ao longo do tempo por causa de diferenças de elasticidade-renda da demanda – também conhecida como “disparidade dinâmica da demanda”. Dessa forma, ao contrário do que sugeria a teoria das vantagens comparativas, os preços dos produtos primários produzidos e exportados por países periféricos, como os da América Latina, tendiam a apresentar uma evolução antagônica se comparados aos dos produtos manufaturados exportados pelos países industrializados. Isso quer dizer que as importações pelo centro de produtos primários da periferia aumentam a uma taxa menor do que a sua renda nacional, ao passo que as importações pela periferia de produtos manufaturados do centro crescem a uma taxa maior do que a de sua renda.

Em outras palavras, os preços dos produtos manufaturados seriam estruturalmente mais elevados em relação aos dos primários. Isso significava que as economias periféricas teriam que exportar mais para atingir o mesmo valor das exportações industriais ao longo do tempo. Nas economias centrais, ajustes ao longo do ciclo econômico global se dão por meio das quantidades exportadas, graças ao elevado nível de industrialização. Nas economias periféricas, por outro lado, os ajustes se dão através dos preços das exportações por causa da especialização primária. Ao contrário do que prega a doutrina do livre comércio, esses movimentos se acentuariam gradualmente, na falta de uma indústria dinâmica. Assim, não seria possível superar o subdesenvolvimento por meio da divisão internacional do trabalho pela qual os países periféricos estariam condenados a uma especialização em produtos primários. Nesse sentido, a industrialização era encarada como uma maneira de modificar esse processo (ver Rocha, 2015).

Em termos gerais, a ideia que o estruturalismo latino-americano exprimia era a de que, apesar da difusão da modernidade, o atraso e grandes diferenças de produtividade entre setores e subsetores econômicos e entre regiões e segmentos populacionais tendiam a se manter e, por vezes, ampliar (Bielschowsky 2009). Segundo esses autores, os países em desenvolvimento podiam ser caracterizados por uma estrutura dupla em que um setor agrícola tardio e um setor industrial sofisticado poderiam coexistir. A importância da manufatura frente à concentração em exportações de commodities primárias era uma preocupação central da abordagem estruturalista associada à CEPAL. A industrialização baseada em sofisticação produtiva era encarada como a única maneira pela qual os países em desenvolvimento poderiam realizar o catch-up. A teoria kaldoriana (1966), que se concentrava nas relações de demanda-oferta do setor de manufaturados, complementou essa visão, oferecendo mais elementos para a exploração da importância do processo de industrialização mais especificamente do setor de manufaturados (Taylor 2004, Ocampo et al 2009).

Redes, Centro-Periferia, Desigualdade e Complexidade Economica

Ótimo texto sobre os antecedentes de Prebisch: Antecedentes_Desenvolvimentistas_na_Form

Referências

Bielschowsky, R. (1998) ‘Cincuenta años del pensamiento de la cepal: una reseña’, in Cincuenta años del pensamiento de la cepal: textos seleccionados, Santiago: Economic Commission for Latin America and the Caribbean (ECLAC)/ Fondo de Cultura Económica.

Blankenburg, S, Palma, J. G. & Tregenna, F. (2008) ‘Structuralism’, in Steven N. Durlauf and Lawrence E. Blume, eds, The New Palgrave Dictionary of Economics, Basingstoke: Palgrave Macmillan.

Chang, H.,J. (2003) Rethinking Development Economics, Ha-Joon Chang (ed.), Anthem Press, London.

Chenery, H. B. (1960) ‘Patterns of Industrial Growth’, American Economie Review, 50(4), 624-654.

Chenery, H. B. (1979), Structural Change and Development Policy, New York: Oxford University Press.

Furtado, C. (1959) Formação econômica do Brasil: edição comemorativa – 50 anos, São Paulo: Companhia da Letras.

Furtado, C. (1961) Desenvolvimento e Subdesenvolvimento, Rio de Janeiro, RJ: Fundo de Cultura, 1965.

Furtado, C. (1964) ‘Dialética do Desenvolvimento’, Rio de Janeiro: Fundo de Cultura.

Furtado, C. (1967) Teoria e política do desenvolvimento econômico, São Paulo: Abril Cultura, 1983.

Furtado, C. (1995) Retour à la vision globale de Perroux et prebisch. Grenoble: Presse Universitaires Grenoble.

Gala, P., Rocha, I., Magacho, G., (2016) mimeo, “The Structuralist Revenge: economic complexity as an important dimension to evaluate growth and development”, FGV working paper n.436, Sao Paulo School of Economics, http://hdl.handle.net/10438/17575

Hirschman, A. O. (1958), The Strategy of Economic development, New Haven, Conn: Yale University Press.

Hirschman, A. O. (1981) Essays in Trespassing: Economics to Politics and Beyond, New York: Cambridge University Press.

Kaldor, N., (1966) “Causes of the slow rate of economic growth of the United Kingdom”, in: Further Essays On Economic Theory, New York, Holmes & Meier Publisher.

Love, J. (1995) ‘Economic ideas and ideologies in Latin America since 1930’, in L. Bethell, ed., The Cambridge History of Latin America, Vol. 6: 1930 to the Present, Part 1: Economy and Society, Cambridge: Cambridge University Press.

Love, J. (1996) ‘Las fuentes del estructuralismo latinoamericano’, Desarrollo Económico, 36(141), 391-402.

Myrdal, G. (1957) Economic Theory and Underdeveloped Regions, New York: Harper and Row.

Nurkse, R. (1953) Problems of Capital Formation in Underdeveloped Countries, Oxford: Oxford University Press.

Ocampo, J.A., Taylor, L., Rada, C., (2009), Growth and Policy in Developing Countries, a Structuralist Approach, Columbia University Press, New York, NY.

Palma, G. (2010) “Why has productivity growth stagnated in most Latin American countries since the neo-liberal reforms?” May, Cambridge Working Papers in Economics.

Palma, G. (1987) ‘Structuralism’, in Eatwell, J.; Milgate, M. and P. Newman, eds, The New Palgrave: A Dictionary of Economics, London: Macmillan.

Prebisch, R. (1949) ‘Estudo econômico da América Latina’, in R. Bielschowsky, eds, Cinqüenta anos de pensamento na Cepal. São Paulo: Cepal/Cofecon/ Record.

Prebisch, R. (1950) The Economic Development of Latin America and its Principal Problems. New York:  United Nations.

Prebisch, R. (1959) ‘Commercial Policy in the Underdeveloped Countries’, American Economic Review, 49, 251-273.

Rainer K. & Reinert, E. (2009) “The relevance of Ragnar Nurkse and classical development economics,” The other canon foundation and Tallinn university of technology working papers in technology governance and economic dynamics n21

Rosenstein-Rodan, P. (1943) ‘Problems of Industrialisation of Eastern and South-Eastern Europe’, Economic Journal, 53(210/1) 202-11.

Rocha, I. (2015), “Essays on Economic Growth and Industrial Development: A comparative analysis between Brazil and South Korea”. PhD, Dissertation, University of Cambridge.

Singer, H. W. (1950) ‘The distribution of gains between investing and borrowing countries’, American Economic Review, 40 (2), 473-485.

Sunkel, O. (1989) ‘Structuralism, Dependency and Institutionalism: An Exploration of Common Ground and Disparities’ Journal of Economic Issues, 23(2), 519-533.

Taylor, L. (2004) Reconstructing Macroeconomics, StructuralistPorposals and Critiques of the Mainstream. Cambridge, MA: Harvard University.

1 thought on “Prebisch e Furtado, dois expoentes do pensamento econômico latino-americano”

Deixe uma resposta