Riqueza de um país: questão empresarial ou educacional?

As duas dimensões importam obviamente mas a história das nações mostra que a questão empresarial prevalece sobre a educacional no desenvolvimento econômico. A riqueza vem das tecnologias, das economias de escala e escopo e do poder de monopólio; uma história industrial e mais recentemente de serviços empresariais. As cidades italianas, a Inglaterra e Holanda dos séculos 17 e 18 e depois Alemanha, Japão e EUA e mais recentemente o leste asiático eram e são potências empresariais produtivas – lembremo-nos das grandes marcas e empresas desses países. É claro que um sistema nacional de inovação ajuda muito nesse sentido: a articulação entre universidade, governo e iniciativa privada. Aqui o canal da educação aparece. Mas sem a mediação empresarial de nada adianta educar mais as pessoas. No final do dia o salário depende do que se produz, do tipo de produto e do mercado existente. Pessoas mais educadas não vendem mais, nem produzem mais. Empresas com economias de escala e escopo sim. Já destacava Smith a importância da extensão do mercado. Os estudos de Desenvolvimento Econômico pegaram a curva errada ao achar que educação promove enriquecimento; o que é válido para pessoas não funciona para as nações. Uma das maiores provas disso é o Brasil dos últimos 30 anos com notáveis avanços na educação e um retrocesso gigantesco no sistema produtivo e na capacidade de conquistar mercados no mundo. Educação sem empresas apenas gera “fuga de cérebros” ou “brain drain”

http://www.paulogala.com.br/sobre-o-papel-da-educacao-e-complexidade-no-desenvolvimento-economico-gana-x-tailandia/

Coreia do Sul x Brasil: educação ou complexidade?

1 thought on “Riqueza de um país: questão empresarial ou educacional?”

  1. É que não adianta nada ter um aumento na graduação, enquanto 3/4 dos alunos são de ciências humanas ou arte, cursos que não contribuem em nada para economia, alem claro da falta de incentivo, nossos bons engenheiros não ficam no país, são facilmente levados pra fora e não registramos patente. O Brasil não tem futuro como país economicamente desenvolvido por uma imaturidade cultural, mas minha pergunta é, ate onde um país tão rico naturalmente e bem localizado como o nosso consegue elevar e manter a qualidade de vida enquanto possui uma economia medíocre e produção de conhecimento quase nula?

Deixe uma resposta