Sistema monetário europeu (SME): a história se repete

Em 1992 George Soros foi um dos responsáveis pela saída da Inglaterra do sistema monetário europeu (SME ou ERM). Um esquema de bandas cambiais bolado para que países que futuramente viriam a se integrar numa moeda só (!) não praticassem desvalorizações competitivas em cima de seus vizinhos. Os câmbios deveriam permanecer dentro de faixas relativas e os diversos bancos centrais da Europa faziam intervenções comprando ou vendendo de modo a manter esse esquema funcionando. Eram calhas que acabavam mantendo regimes de câmbio quase fixo para esses países.

Em Setembro 1992 o sistema ruiu com um ataque sofrido pela libra. Houve um desalinhamento importante entre as politicas monetárias alemã e inglesa. O Reino Unido estava em recessão e precisava urgentemente de reduções da taxa de juros para estimular a economia. Só que o peg ao sistema monetário europeu exigia juros altos para conter a fuga de capital e evitar a desvalorização da libra. A Alemanha estava superaquecendo graças ao processo de reunificação e os alemães preocupados com a inflação queriam aumentar seus juros. Só que para o SME funcionar era necessária uma mínima coordenação entre as políticas monetárias. Países europeus de mesmo risco não poderiam pagar taxas de juros muito divergentes, sob pena de forte migração de fluxos de capital.

No que os economistas chamam de trilema da macroeconomia aberta, se dois países tem a conta capital aberta, perdem a autonomia relativa ou da politica cambial ou monetária. Podem escolher os juros de curto prazo sob pena de perder o controle do câmbio, ou vice versa. Daí veio a divergência entre UK e Alemanha. Perseguir seus objetivos domésticos de controle da inflação ou estímulo econômico significava no limite abrir mão do sistema de taxas de câmbio controladas. Soa familiar? Esse é o grande dilema de uma zona de união monetária. Como orquestrar políticas econômicas diferentes para os diferentes membros da união. Dá? Não dá! Em geral manda quem pode e obedece quem tem juízo. Exatamente o que vemos hoje. A Alemanha quer impor sua política em cima dos coitados dos PIGS que estão todos quebrados. O temor da Alemanha é a inflação e o temor nos PIGS é a recessão. Onde vai acabar isso? Em 1992 o sistema caiu. Hoje temos uma moeda única. Será que ela aguenta?

Deixe uma resposta