Superciclos de liquidez

Os grandes movimentos de preços de ativos são, no fundo, reflexos de superciclos. Os mais tradicionais são os de liquidez e de commodities. Hoje vivemos um superciclo de expansão de liquidez por conta das respostas à crise de 2008 e um superciclo de aumento de preços de commodities devido à entrada de China e Índia de fato na economia mundial. É claro que a alta das commodities é também turbinada pela liquidez excedente. Uma chave de leitura fácil para entender a segunda metade do século XX e primeira do século XXI é estudar esses ciclos de liquidez. O maravilhoso texto “Capital flows to developing countries in a historical perspective”, de Yilmaz Akyuz, ajuda muito a entender. O autor apresenta quatro grandes ciclos de fluxos de capital para países emergentes medidos em bilhões de dólares e porcentagem do PIB desde o início dos 70. Dá para ver claramente o ciclo dos anos 70, que foi capitaneado por empréstimos para governos desenvolvimentistas na Ásia e América do Sul. A liquidez mundial veio dos déficits externos americanos e da reciclagem dos petrodólares depois de 1974. Foi também uma boa época para preços de commodities, e o endividamento no mundo emergente correu solto. E assim foi até a crise da dívida em 1980. Com medo da inflação, o FED deu uma paulada nos juros no final dos 70 e colocou todo o mundo emergente de joelhos.

A festa voltou com força nos anos 90, depois da digestão dos excessos dos 70. Essa nova festa foi também disparada por um excesso de liquidez decorrente da crise dos Savings and Loan nos EUA e do estouro da bolha japonesa em 1990. Dinheiro farto. E como diz meu amigo, o brilhante economista Gabriel Palma, lá estava de novo a América Latina como tomadora de empréstimos e liquidez de última instância. Nessa a Ásia surfou junto. Quem não se lembra por aqui da primeira metade da década de 90? Foi uma farra. Tudo subindo, todos se endividando. O segundo ciclo de boom e bust começou a terminar em 1997, com a crise asiática. Depois vieram Rússia, Brasil e Argentina. Nesse segundo ciclo, os investimentos diretos estrangeiros tiveram mais importância do que os empréstimos comerciais dos anos 70. Mas foi uma festa bonita de se ver também. Algumas pérolas do período: Puerto Madero, Petronas Towers.

Depois veio o terceiro ciclo. Turbinado pela redução das taxas de juro do Greenspan no rescaldo do estouro da bolha pontocom. Além disso houve a reciclagem dos superávits asiáticos, especialmente China, reinvestindo seus capitais em títulos americanos, jogando as taxas longas ainda mais para baixo. Juros baixos for all (menos aqui no Brasil). Então essa farra da liquidez que já conhecemos ajudou a criar a super-bolha americana. E se espraiou para o mundo emergente. Nessa época, a bolsa brasileira saiu de 10.000 para 70.000 pontos. Foi um belo ciclo. Aliás, nesse período entrou também o atual superciclo de commodities, graças a China e Índia. O ciclo acabou na quebra da Lehman Brothers em 2008. No terremoto seguido de tsunami, que todos nós sofremos. E por que estudar esses ciclos? Como isto tudo nos afeta? Bom, estamos agora entrando no quarto ciclo. Um ciclo de liquidez somado a um ciclo de commodities

E nesse novo superciclo a sincronia é ainda maior. Tudo anda junto agora. Quer ver? Commodities, moedas emergentes e bolsas sobem juntos. É um play de todos contra o dólar. Quando a liquidez vaza, os ativos emergentes sobem. Quando a liquidez volta para os EUA, os emergentes caem. A crise de 2008 foi emblemática. E as bolsas no mundo emergente estão absolutamente correlacionadas com os fluxos de capital. A enxurrada de dólares para esses países causou subidas simétricas. Cenas dos próximos capítulos. Em algum momento o FED vai começar a subir a taxa de juros e adotar estratégias de saída para as políticas de estímulo. O que vai ocorrer? Valorização do dólar, queda de commodities, depreciação de moedas e bolsas emergentes. Pode ser um processo gradual, é claro. Mas pode acontecer também de supetão. Num cenário onde a leniência do FED vai amplificando o ciclo mundo afora, até que no final venha uma ajuste mais forte e rápido. Fiquemos atentos para a subida e a descida.

ver Tempestade perfeita no mundo emergente

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *