Teclados de máquinas de escrever e as dificuldades de se escapar da armadilha da pobreza: “path-dependence” e estado + mercado

Sistemas complexos exibem “lock in” ou seja, tendem a se manter presos a sua trajetória graças a existência do que os economistas chamam de retornos crescentes. Quem estudou isso muito bem foram os economistas Brain Artur e Paul David num paper chamado “a economia do qwerty” (paper aqui: https://econ.ucsb.edu/~tedb/Courses/Ec100C/DavidQwerty.pdf) que explicava a origem dos teclados de máquinas de datilografar e computadores e a configuração dos teclados hj. Os teclados são assim hoje pois todos decoraram as teclas nessas posições, não dá mais para mudar: reparo nisso agora enquanto digito esse texto. Lá atrás as letras tinham essa configuração para não “aglutinar letras próximas” e travar a máquina. Essa “dependência de trajetória tem implicações importantíssimas para entender por que o países pobres continuam pobres. Nesse vídeo aqui explico isso em mais detalhes usando o trabalho da Mariana Mazzucato que acaba de ganhar o prêmio Leontieff por suas recentes contribuições em economia.



Deixe uma resposta