Um mundo afogado em dívidas

O mundo desenvolvido não consegue crescer na velocidade de outros tempos, o desemprego europeu é enorme, os empregos criados nos EUA desde 2008 remuneram mal e a participação dos americanos na forca de trabalho ainda e’ baixa para padrões históricos. Os países emergentes não conseguem crescer para atingir o grupo de economias desenvolvidas: Brexit e Trump são frutos desse mundo de “estagnação secular” ou de “novo normal”. É importante lembrar que um dos pilares do “new normal” sempre foi a recusa no uso do gasto público como estímulo legítimo de demanda no curto prazo, especialmente, no tocante a investimentos em infraestrutura. Em meados de 2013, o próprio Bernanke apontava também os temores em relação ao efeito contracionista no PIB dos cortes de gastos públicos nos EUA. Apesar de clamores por uma política fiscal mais expansionista), nenhum governo teve a coragem de ir adiante com essa agenda.  Na Europa, a introdução da moeda única provocou quedas nas taxas de juros, booms de consumo, endividamento e bolhas imobiliárias nesses países. Não houve progresso de fato com upgrading industrial e aumento de capacidades locais de produção. As rendas per capita subiram, depois caíram e agora estão estagnadas. A crise no sul continua e continuará. Passada a euforia de renda per capita dobrada, explosão imobiliária e de infra-estrutura ficaram as dividas. O setor privado e público dos PIGS está muito endividado. Portugal e Espanha passam por recuperações moderadas depois de anos de estagnação, mas estão ainda aquém dos patamares de produção observados antes da crise de 2008. Os governos dos PIGS tem enorme dificuldade em fazer politicas anticilcas por conta do tamanho das dividas publicas. Abriram mão da política cambial (não tem mais moeda), não podem fazer política fiscal e estão endividados;a política monetária é do banco central europeu. O único mecanismo de ajuste que lhes restou foi a deflação interna.

Por que o mundo não cresce mais como antigamente? A meu ver dois fenômenos da última década ajudam a explicar essa nova estagnação secular: excesso de divida e excesso de oferta. A explosão do endividamento publico e privado vem já desde os anos 90, tendo certamente os EUA como motor principal. O motor da renda foi substituído pelo motor do credito. Ninguém tem ativos, tudo e’ colateral de dividas. A sobreoferta mundial tem a ver com a ascensão da asia dinâmica do leste. So a China hoje conta com mais de 100 milhões de trabalhadores produzindo bens manufaturados, tendo saído praticamente do 0 em 1980. A capacidade ociosa da economia chinesa, europeia e americana e’ enorme. A consequência disso e’ inflação baixa permanente, que provoca juros baixos, que por sua vez não são capazes de estimular novos investimentos, nem novo endividamento. O mundo entrou num looping vicioso e Brasil caminha para a mesma trajetória. Não há demanda pela via do investimentos como no passado, a guerra cambial também não funciona mais num mundo sobreoferta. Governos altamente endividados não tem coragem de acionar o gatilho do investimento publico. O mesmo raciocínio pode ser transposto para o Brasil, so que em níveis de taxas de juros nominais e reais ainda muito elevados. Se estivermos mesmo no “novo normal” por aqui, nada de juros altos por um bom tempo agora. O ano de 2016 marcou o final do longo processo de crescimento no Brasil baseado no modelo CCC (crédito, commodities e consumo) iniciado ainda em 2003, e potencializado por políticas anticíclicas no pós-crise de 2008. A forte alavancagem das empresas e famílias brasileiras criou novos patamares de divida, com juros muito mais elevados do que a media mundial.

 

4 thoughts on “Um mundo afogado em dívidas”

  1. Caro Paulo, por que os juros baixos não conseguem provocar novos investimentos? Eu achava que os juros baixos eram justamente o que levava as empresas a tocarem os negócios. Desde já obrigado

    1. Ajudam sem dúvida, mas existe muita capacidade ociosa é
      E muita dívida na economia. Só quando parte das dívidas for paga e a capacidade voltar a ser utilizada os juros baixos ajudarão os investimentos!

  2. 40% da força de trabalho nos EUA é precária, desempregada, contingente, desesperada.
    O governo para de contar uma pessoa como desempregada se ela fica apenas 4 semanas sem procurar trabalho. Há todo tipo de maquiagem para esconder o fato de que 50% dos norte americanos poderiam se juntar aos 80% de latino americanos em situação de fragilidade econômica.Falidos. Eles não têm 400 dólares no banco para pagar alguma emergência. 1/3 esta no foodstamp. Tem dívidas gigantes NET worthy negativo. Têm 0 riqueza financeira.

Deixe uma resposta