A fábrica da Jeep em Pernambuco é parte da nova indústria automobilística que nasce no nordeste

A Jeep (marca pertencente ao grupo Stellantis) possui uma fábrica localizada na região Nordeste do Brasil, mais especificamente em Goiana, no estado de Pernambuco.A fábrica da Jeep em Goiana é uma das mais modernas e avançadas da região e foi inaugurada em 2015. Ela representa um investimento significativo da empresa no Brasil e tem desempenhado um papel importante na produção de veículos para o mercado interno e exportação. A fábrica é responsável pela produção de diversos modelos da marca Jeep, como o Jeep Renegade e o Jeep Compass, que são muito populares no mercado brasileiro. Além disso, a unidade de produção de Goiana também foi projetada com foco em sustentabilidade e eficiência, buscando minimizar o impacto ambiental e maximizar a produtividade. A instalação da fábrica da Jeep no Nordeste trouxe diversos benefícios para a região, como a geração de empregos diretos e indiretos, o estímulo à economia local, e a atração de outras empresas e fornecedores para a área, fortalecendo a cadeia automotiva na região. A empresa chinesa BYD de veículos elétricos também vai se instalar no Nordeste. A montadora chinesa anunciou em 2023 que vai investir R$ 3 bilhões na construção de uma fábrica de veículos elétricos em Camaçari, na Bahia. A fábrica deve começar a operar no segundo semestre de 2024 e vai gerar cerca de 5 mil empregos diretos e indiretos. A instalação da BYD no Nordeste é um importante passo para a consolidação do mercado de veículos elétricos no Brasil.

2 thoughts on “A fábrica da Jeep em Pernambuco é parte da nova indústria automobilística que nasce no nordeste”

  1. O melhor disso tudo é a escolha do nordeste como a região de investimento. Quer o nordeste, o norte e o centro-oeste tenham politicas de industrialização. No DF, o foco poderia ser a economia digital, já que temos aqui o projeto de uma Cidade Digital, que infelzimente encontra-se empacada há uns 20 anos, provavelmente por incompetência dos governos passados (todos) e por conflitos entre grupos interessados em ter controle sobre o projeto.

  2. Estive no nrodeste no final de 2023, em Natal, e fiquei espantado com a quantidade de fazendas e energia eólica. Não conhecia a região antes, mas imagino que tenha sido muito beneficiada.

Deixe uma resposta