A revolução industrial não foi causada por reformas institucionais na Inglaterra

A Revolução Industrial NÃO foi causada por reformas institucionais. Acemoglu e Robinson, em Why Nations Fail, argumentam que a Revolução Gloriosa criou “instituições inclusivas” que deram início à industrialização britânica. Suas reivindicações baseiam-se na noção de que a Revolução Gloriosa fez do Parlamento uma instituição onde os detentores de riqueza poderiam restringir a monarquia e proteger seus direitos de propriedade. Eles afirmam que isso promoveu os investimentos feitos na revolução industrial inglesa que posteriormente possibilitaa chamada “revolução industrial”. Mas isso não se encaixa nos fatos. O Parlamento permaneceu dominado pela elite inglesa antes e depois da revolução gloriosa, não houve nenhuma mudança descontínua nos direitos de propriedade (que estavam la garantidos desde a Idade Média) e os mercadores sempre usaram o Parlamento para enriquecer. Não houve ruptura institucional em relação a direitos de propriedade. Como as instituições eram contínuas durante a fase inicial da Revolução Industrial, elas não podem explicar o movimento descontínuo da economia britânica para longe do padrão histórico de crescimento.

A Revolução Gloriosa é um evento celebrado na história da Inglaterra. A destituição sem derramamento de sangue do autocrático James II por uma grande coalizão de nobres de mentalidade cívica inspirou o processo de três séculos de escritores, todos maravilhados com essa grande efusão de liberdade, justiça e democracia. Escrevendo na edição de dezembro de 1989 do The Journal of Economic History, Douglass North e Barry Weingast argumentaram que a queda de James e a ascensão de William de Orange constituíram uma afirmação da supremacia parlamentar sobre a monarquia arbitrária. Este corpo era – senão totalmente representativo – diverso e abastecido com “detentores de riqueza”: mercadores, industriais, proprietários de terras e banqueiros, todos unidos pelo desejo de proteger a propriedade privada. Além disso, o controle do Parlamento sobre o erário público garantiria que a Coroa não violasse contratos unilateralmente, encorajando os investidores a colocar seus fundos no governo e, assim, aprofundando os fabulosos mercados de crédito impessoal do país. Como evidência, North e Weingast mostraram que a Grã-Bretanha posteriormente obteve acesso a níveis sem precedentes de financiamento de empréstimos: a dívida nacional aumentou de £ 1 milhão em 1688 para £ 16,7 milhões uma década depois, e então para £ 78 milhões em 1750. Ainda assim, durante todo este período, a taxa de mercado cobrada sobre títulos do governo caiu drasticamente, de 14 por cento em 1693 para apenas 3 por cento (com o advento dos Consols) em 1739. North e Weingast consideraram o risco de crédito mais baixo atribuído ao regime como um sinal de compromisso confiável para manter contratos.

O controle do Parlamento sobre a tributação e questões fiscais deveriam, segundo esse ponto de vista, ter limitado a capacidade da Coroa de expropriar diretamente a riqueza dos cidadãos através da cobrança de impostos arbitrários. Em suma, as reformas institucionais de 1688, ao algemar o Leviatã, criaram o ambiente econômico mais favorável na história europeia para uma sociedade comercial e subsequente industrialização. A segurança da propriedade incentivou o investimento, enquanto o direito de transferir e usar ativos aumentou a eficiência econômica ao suavizar o funcionamento dos mecanismos de mercado. A Revolução Gloriosa se tornou o estudo de caso central para a escola institucionalista de Douglass North, provando que as organizações que salvaguardavam a propriedade e reduziam os custos de transação e monitoramento poderiam ser um ímpeto suficiente para o crescimento moderno. Em seu livro best-seller Why Nations Fail, Acemoglu e Robinson seguem nessa linha de analise. A Revolução Industrial deu seus maiores passos na Inglaterra por causa de suas instituições econômicas inclusivas. Estes, por sua vez, foram construídos sobre as bases estabelecidas pelas instituições políticas trazidas pela Revolução Gloriosa. Foi a Revolução Gloriosa que fortaleceu e racionalizou os direitos de propriedade, melhorou os mercados financeiros, minou os monopólios sancionados pelo Estado no comércio exterior e removeu as barreiras à expansão da indústria. Foi a Revolução Gloriosa que tornou o sistema político aberto e responsivo às necessidades econômicas e aspirações da sociedade. Essas instituições econômicas inclusivas deram a homens de talento a oportunidade e o incentivo para desenvolver suas habilidades e ideias e influenciar o sistema econômico de maneiras que os beneficiassem e também a nação. (Acemoglu e Robinson, 2012)

Sera essa a verdadeira historia do ocorrido a época? O Parlamento era mesmo um melhor gestor do erário público? Infelizmente, a evidência é suspeita. Inumeros trabalhos de historiadores economicos das ultimas decadas mostram que a narrativa de North e Acemoglu e Robinson e’ muito mais fragil do que se imagina. O’Brien (2001), por exemplo,descobriu que os direitos de propriedade de credores da dívida inglesa sempre estiveram garantidos ao longo do século 17. Os estudos de Stasavage (2002) e Sussman e Yafeh (2006) reverteram a hipótese de “descontinuidade da taxa de juros” proposta por North e Weingast como a base empírica da segurança do governo, mostrando que as grandes flutuações – ligadas à ascensão e queda dos partidos políticos – continuou até 1740. Embora a Declaração de Direitos de 1689 desse ao Parlamento o controle sobre os impostos, nenhum controle popular ou institucional foi imposto a esse poder. Entre 1688 e 1815, o PIB real aumentou três vezes e a tributação real em tempos de paz quinze vezes; a receita de Stuart de 1,2-2,4% da renda nacional aumentou para 8-10% como consequência depois de 1688. Para que a Grã-Bretanha usou o dinheiro? Se você adivinhou coisas como “infraestrutura” ou “bem-estar” ou mesmo “segurança interna”, você está errado. Libras tributadas foram gastas em guerras contra os franceses – na Guerra dos Nove Anos, na Guerra da Sucessão Espanhola, na Guerra da Sucessão Austríaca, na Guerra dos Sete Anos, na Guerra Revolucionária Americana, nas Guerras Revolucionárias Francesas e na Guerra Napoleônica guerras. E embora tenha havido, sem dúvida, efeitos estimulantes desses gastos e ligações para trás com setores como a metalurgia, está claro que, para a grande maioria dos contribuintes, os retornos foram mínimos, senão negativos.

A última perna da proposição North-Acemoglu é a mais importante: a propriedade privada. Um princípio fundamental do institucionalismo é que os direitos de propriedade, sua transferência e uso de maneira ordenada são condições necessárias (e às vezes suficientes) para que o crescimento econômico ocorra. A transição da Inglaterra monárquica insegura para a Inglaterra parlamentar protegida trouxe esses direitos e lançou as bases para a Revolução Industrial. A maioria das terras foi capturada em formas arcaicas de direitos de propriedade que tornavam impossível sua venda ou uso para investimento. Segundo Acemoglu e Robinson isso mudou após a Revolução Gloriosa: historicamente sem precedentes foi a aplicação da lei inglesa a todos os cidadãos (Acemoglu e Robinson, 2012, p. 102). Ocorre que a maioria de evidências hoje existente sugere que a Grã-Bretanha tinha fortes direitos de propriedade generalizados durante a Revolução Industrial que antecederam 1688 por algumas décadas. A propriedade da terra era considerada segura no século XI, pelo menos pelos historiadores contemporâneos, e isso se aplicava tanto aos plebeus quanto à pequena nobreza. Os proprietários de terras também podiam vender, arrendar, hipotecar, legar ou alienar seus terrenos como bem entendessem. Os tribunais reais, eclesiásticos e senhoriais competiam para proteger a propriedade e a transferência contra apreensão ou alteração arbitrária. A Declaração de Direitos não impôs limites à capacidade do estado de confiscar propriedade e não exigiu indenização no caso de isso ocorrer, então as restrições que existiam haviam sido lentamente acumuladas desde a assinatura da Carta Magna, se não antes.

 

Nem mesmo está totalmente claro que os direitos de propriedade dessa epoca eram mais fortes do que os da era Stuart. Houve confiscos de propriedade pós-medievais, como a apreensão de terras monásticas por Henrique VIII ou os empréstimos forçados de Jaime I e Carlos I, mas a frequência de tais eventos – roubo ou inadimplência – foi baixa em comparação com a maioria dos lugares do continente . Os direitos de propriedade na Inglaterra eram relativamente garantidos para a minoria no século 13, mas os direitos legais para a maioria eram inseguros, mesmo durante a Revolução Industrial. Em suma, os direitos de propriedade em 1769 eram mais fortes do que em 1500, mas o caminho para obtê-los foi lento e gradativo, sem descontinuidade por volta de 1688. Isso se reflete, em parte, na concomitante falta de uma descontinuidade econômica. A Grã-Bretanha foi precocemente urbana, comercial e rica muito antes da industrialização, fruto de séculos de expansão comercial mercantilista. Os direitos de propriedade eram claramente bons o suficiente para tornar a Londres do século XVII um centro comercial, estimular a especialização agrícola e até mesmo dar o pontapé inicial na engenhosidade técnica britânica.

As instituições inglesas melhoraram gradativamente com o desenvolvimento econômico, uma catalisando a outra. O Novo Mundo Institucionalista de 1689 foi, em muitos aspectos, o oposto do estado imaginado por North e Acemoglu. A maioria dos homens britânicos fora das classes proprietárias não podia votar, e até mesmo interesses mercantis não elitistas se viram lutando para derrubar a aristocracia tradicional. Se o monarca estava acorrentado, o Parlamento não estava, e começou a exercer seus poderes para redefinir os direitos de propriedade durante o século XVIII. A legislatura aprovou taxas fiscais que tornaram o povo britânico o mais tributado do mundo e usou os lucros para pedir somas exorbitantes para guerras contra os franceses e apoios mercantilistas para grupos de interesse. A frota da Marinha Real consumia vultosos recursos em um mundo mercantilista e militarizado, os gastos de defesa com a frota eram um instrumento fundamental de política econômica. A divida publica inglesa do século 19 superou 200% segundo trabalhos mais recentes de historiadores econômicos. As docas de Canary Wharf cresciam de maneira incrível com navios mercantes cujo financiamento e passagem eram salvaguardados pelo Estado. Mas isso era verdade tanto em 1687 quanto em 1689. Simplesmente não está claro se o longo século XVIII foi uma era de instituições políticas e econômicas excepcionalmente inclusivas para os padrões britânicos. Devemos buscar uma força motivadora em outro lugar. A revolução industrial britânica foi um marco na história econômica mundial. Embora tenha sido visto como um período de dramática ‘decolagem’, agora é geralmente aceito que foi um episódio de aceleração gradual no crescimento da produtividade do trabalho que acabou levando a aumentos sustentados nos padrões de vida (Crafts 2021).

 

Referências

https://daviskedrosky.substack.com/p/1689

https://www.jstor.org/stable/4501108

https://daviskedrosky.substack.com/p/was-the-industrial-revolution-the

https://www.lse.ac.uk/Economic-History/Assets/Documents/WorkingPapers/Economic-History/2001/WP6501.pdf

https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1111/ehr.13051

 

Crafts 2021: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1111/ehr.13051

Recent research relating to productivity growth during the British industrial revolution is reviewed. This confirms that there was a gradual acceleration rather than a ‘take-off’. The explanation for the speeding-up of technological progress remains controversial but the evidence base has improved considerably. In the face of a surge in population growth, slow growth of real wages during the industrial revolution may be seen as a good outcome which was underpinned by improved growth potential. Slow total factor productivity growth from the 1870s suggests that British technological capabilities at the end of the industrial revolution were still quite limited.

 

3 thoughts on “A revolução industrial não foi causada por reformas institucionais na Inglaterra”

  1. ENTÃO POR QUE A REVOLUÇÃO INDUSTRIAL ACONTECEU NA INGLATERRA? POR QUE NÃO NA CHINA, JÁ QUE FOI O PAIS MAIS RICO DO MUNDO ATE TALVEZ O SÉCULO XVIII.

  2. Uma dúvida que eu tenho? Por que economistas discordam tanto em relação a privatizações? Andre Lara Resende não se considera NEOLIBERAL, mas defende a privatização de todas as estatais ?

Deixe uma resposta