Agrale, sucesso tecnológico brasileiro na indústria automotiva

*Escrito com Fernando Santana

A Agrale é um belo exemplo de sucesso na indústria automotiva com capital brasileiro. Contemporânea da Gurgel, surgiu nos anos 60 como fabricantes de implementos e máquinas agrícolas e em paralelo a esta atividade principal ocupou vários nichos de mercado desde sua fundação. Foi a pioneira na fabricação de caminhes urbanos (hoje chamados de VUC) e na fabricação de chassis de micro-ônibus. Também fabricou motocicletas e scooters sob licença. Atualmente fabrica tratores, caminhões e chassis de projetos próprios. Na última década a empresa aperfeiçoou um antigo projeto da Engesa com foco nas forças armadas de desenvolveu uma gama de 4×4 leves. E é um importante exportador para outros países da América Latina. Em sua trajetória a Agrale sempre foi muito ágil em descobrir novos nichos de mercado para escapar da concorrência direta com grandes fabricantes. A empresa sempre desenvolveu tecnologia própria, mas nunca deixou de fechar parcerias técnicas com empresas estrangeiras. Uma empresa ainda atuante, solida e inovadora.

Mais sobre a empresa:

https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Agrale

2 thoughts on “Agrale, sucesso tecnológico brasileiro na indústria automotiva”

  1. Oi Paulo, parabéns por mais um artigo, e por todo o material que você disponibiliza. Acho que você é o principal elemento combatendo o analfabetismo econômico no Brasil, as vezes até entre nós economistas.

    Mas queria aproveitar o espaço pra te perguntar uma coisa também, você sabe de alguém trabalhando com a micro-fundamentação dessas teorias de complexidade econômica?

    Eu estou lendo um livro do Jing Chen, que busca traçar uma diretriz pra reconstruir a teoria econômica com base na termodinâmica, que ele considera uma analogia mais apropriada que a mecânica clássica (que foi a referência usada por Jevons, Walras e os outros pais da economia neoclássica). E apesar de ele não ligar diretamente com o índice de complexidade econômica de Hidalgo e Hausmann, me parece haver uma ligação direta.

    Tens ideia onde encontro leituras que exploraram isso?

Deixe uma resposta