Análise da Proposta Orçamentária da União para 2024: Um Olhar Detalhado

Despesas Totais de R$ 5,4 Trilhões: A proposta orçamentária para 2024 apresenta um montante expressivo de R$ 5,4 trilhões em despesas totais.

Gastos Financeiros de R$ 2,7 Trilhões: Dentre esses, R$ 2,7 trilhões destinam-se a gastos financeiros, incluindo pagamentos de juros e refinanciamento da dívida pública. (em 2022 o total de juros dessa conta foi de R$720bi, o resto foi rolagem)

Despesas Sociais e Precatórios – R$ 1,45 Trilhão é destinado a despesas de Assistência, Trabalho, Previdência Social e precatórios.

Saúde e Educação – R$ 370 Bilhões: Os orçamentos da Saúde e da Educação somam R$ 370 bilhões, destacando a importância dessas áreas para o governo.

Defesa, Relações Exteriores e Segurança Pública – R$ 100 Bilhões: Áreas críticas como Defesa Nacional, Relações Exteriores e Segurança Pública recebem cerca de R$ 100 bilhões.

Transferências e Fundeb – R$ 600 Bilhões: Cerca de R$ 600 bilhões são direcionados a transferências para Estados e municípios, além de recursos ao Fundeb e encargos especiais.

Legislativo e Judiciário – R$ 65 Bilhões: As funções ligadas à atividade legislativa e judiciária consomem aproximadamente R$ 65 bilhões.

Agricultura, Gestão Ambiental e Ciência e Tecnologia – R$ 70 Bilhões: Setores como Agricultura, Gestão Ambiental e Ciência e Tecnologia recebem aporte de R$ 70 bilhões.

Demais Funções do Gasto – R$ 85 Bilhões: Outros R$ 85 bilhões distribuem-se em diversas funções, incluindo Cultura, Urbanismo, Habitação, Saneamento, Energia, Esportes, Administração e Comunicações.

Custos Previdenciários, Programas Sociais e Transferências – R$ 2,1 Trilhões: Excluindo os custos da dívida pública, a maior parte do gasto federal concentra-se em despesas previdenciárias, programas sociais e transferências para entes subnacionais.

Folha Salarial – R$ 400 Bilhões: As despesas com folha salarial, não incluídas nos dados anteriores, totalizam aproximadamente R$ 400 bilhões.

Margem de Manobra – R$ 200 Bilhões: A diferença de cerca de R$ 200 bilhões entre os gastos enumerados e o total de R$ 2,7 trilhões representa uma margem de manobra ou flexibilidade no orçamento.

Desafios na Distribuição: Essa margem precisará ser alocada entre emendas parlamentares, custeio da máquina pública, investimentos e adicionais em Saúde e Educação para atender aos mínimos constitucionais.

Considerações Finais: A proposta reflete desafios na distribuição de recursos, sendo fundamental acompanhar como essas alocações contribuirão para as áreas-chave e para o desenvolvimento econômico e social do país.

refs: https://www.estadao.com.br/opiniao/felipe-salto/a-privatizacao-do-orcamento-publico/

1 thought on “Análise da Proposta Orçamentária da União para 2024: Um Olhar Detalhado”

  1. Não entendi. Os gastos financeiros de 2,7 tri nao entram nesse montante de 5,4 tri né? pq somando todas as outras “linhas” (e tirando os 2,1 tri de “Custos Previdenciários, Programas Sociais e Transferências” que são custos que estão em outras linhas), vai dar os 5,4 tri

Deixe uma resposta