Banco Central aperta o botão da bomba de neutron!

*escrito por Andre Roncaglia

Nossa taxa de juros vai subir até pelo menos 7% pra conter os efeitos de pressões setoriais de oferta: taxa de câmbio, preços internacionais de commodities, reposição de estoques no setor de material de construção, indexação de aluguéis ao IGP-M (tx câmbio) e aumento de 40% em passagens aéreas. Além disso, falta planejamento nos setores de alimentos e de energia elétrica (a tal crise hídrica); para nao mencionar a política irresponsável da Petrobras de vincular o preço doméstico do petróleo aos preços internacionais para maximizar a riqueza do acionista minoritário (vulgo Faria Lima). A SELIC tem que fazer o trabalho sujo compensando estas pressões de oferta na redução de demanda agregada em outros setores (emprego e renda), bem no momento em que a economia começa a reabrir. Quando o custo de produção (insumos + crédito) sobe, o ajuste se dá no salário. A solução já veio na forma Reforma Trabalhista e, recentemente, da MP 1045: precarização do emprego e eliminação de direitos trabalhistas. O rico consegue pagar mais por energia e combustível. O pobre paga mais por alimentos, transportes e aluguel que sufoca o seu orçamento. O gráfico do IPEA mostra como a inflação concentrada em bens básicos acaba penalizando mais fortemente as pessoas de mais baixa renda (linha azul escura). Enquanto isso, as reformas avançam em seu “samba de uma nota só”, sempre na promessa de resolver todos os problemas.

Deixe uma resposta