Brasil deve criar 1,7 milhões de empregos formais em 2023

Mais um dia positivo para a Bovespa que atingiu a marca de 126 mil pontos, representando um ganho de 12% no mês e mais de 15% no acumulado do ano. O real também registrou valorização, alcançando R$4,89. A queda dos juros longos para abaixo de 10,80% contribuiu para esse impulso no mercado brasileiro, caracterizando um rali impulsionado pela valorização da moeda nacional, redução das taxas de juros e alta no mercado de ações. Ontem, notícias favoráveis influenciaram esse cenário, com destaque para os comentários de um diretor do Federal Reserve (Fed), interpretados como dovish, indicando a possibilidade de redução das taxas de juros nos Estados Unidos no próximo ano. Essa perspectiva, associada à queda dos rendimentos dos títulos de 10 anos para 4,32% (inicialmente em 4,40%), impulsionou não apenas os mercados nos EUA, mas também os emergentes, incluindo o Brasil. O fluxo de mais de 20 bilhões de reais de investimento estrangeiro na bolsa brasileira neste mês reforça o impacto positivo desse rali de ativos. Além disso, dados positivos sobre a criação de vagas formais no mercado de trabalho brasileiro foram divulgados, com o CAGED indicando a abertura de 190 mil novas vagas em outubro. O acumulado para o ano já alcança quase 1,8 milhão de vagas, superando as expectativas e sinalizando a possibilidade de criação de dois milhões de vagas formais no Brasil neste ano. Os resultados fiscais também apresentaram melhora, refletindo a recuperação na arrecadação. Apesar do IPCA-15 de novembro ter ficado ligeiramente acima das expectativas, a composição do índice revela um controle mais efetivo nos preços de serviços, enquanto os aumentos concentraram-se em itens mais voláteis, como alimentação e vestuário. Hoje, o IGPM de novembro avançou 0,59%, um pouco acima do esperado, destacando-se o aumento nos preços no atacado, especialmente do óleo diesel e minério de ferro. O IPC também registrou alta, impulsionado por passagens aéreas, enquanto o INCC desacelerou, apontando para uma elevação de apenas 0,10%, um dos menores índices do ano. No cenário internacional, os investidores estão atentos aos dados econômicos dos EUA, como o Livro Bege, a leitura do PIB e, mais adiante, o indicador de inflação PCE. Comentários de investidores importantes, como Bill Ackman, sugerindo a possibilidade de corte de juros pelo Fed no primeiro trimestre do próximo ano, têm influenciado as expectativas e contribuído para o atual movimento de alta nos mercados.

Deixe uma resposta