Brasil está atrasado na corrida da economia verde

Quais países têm maior probabilidade de possuir as capacidades produtivas para prosperar na economia verde? Como os países podem reorientar suas estruturas industriais existentes para serem mais competitivos em um mundo ecologicamente sustentável? Essas questões podem ser investigadas a partir de uma metodologia inovadora para medir as capacidades produtivas em direção à economia verde. Ao criar um novo conjunto abrangente de dados de produtos verdes comercializados e utilizar métodos de complexidade econômica, os dados abaixo mostram os países com base em sua capacidade de exportar produtos verdes complexos de maneira competitiva; países mais bem classificados têm maior probabilidade de apresentar taxas mais altas de patentes ambientais, menores emissões de CO2 e políticas ambientais mais rigorosas. Esses resultados lançam uma nova luz sobre a industrialização verde e têm várias implicações para políticas industriais voltadas para o meio ambiente. O Brasil tem um dos maiores potências do planeta para avançar na economia verde: produtos como etanol, hidrogênio verde, amônia verde, plástico verde e fertilizantes limpos estão todos ao alcance de nosso sistema produtivo. Infelizmente os dados mostraram que estamos ainda bem atrás na corrida mundial da transição produtiva para uma economia verde!

Como medir produtos verdes?

Definir e classificar produtos verdes (ou produtos com benefícios ambientais) tem se mostrado uma tarefa desafiadora. Visando ilustrar o escopo da “indústria ambiental”, a OCDE ofereceu a seguinte definição: “A indústria de bens e serviços ambientais é composta por atividades que produzem bens e serviços para medir, prevenir, limitar, minimizar ou corrigir danos ambientais à água, ar e solo, bem como problemas relacionados a resíduos, ruído e ecossistemas. Isso inclui tecnologias mais limpas, produtos e serviços que reduzem o risco ambiental e minimizam a poluição e o uso de recursos”. A partir dessa definição os autores do trabalho utilizado aqui criaram uma lista com mais de 550 produtos verdes, classificando os dos mais complexos aos menos complexos. As tabelas abaixo trazem exemplos.

a relação entre pegada de carbono e complexidade dos produtos é positiva e robusta, quanto mais complexo, mais polui. Para evitar o aumento de emissões os países hoje ainda pobres teriam que planejar sua rota de sofisticação por uma via de complexidade verde como mostrado acima!

Como medir complexidade econômica?

referência 1: green_complexity

referência 2: DPV-resubmitted (1)

referência 3: https://unctad.org/system/files/non-official-document/tir2023_background3_en.pdf

referência 4: https://unctad.org/system/files/non-official-document/tir2023_background4_en.pdf

ClovisFreire_UNCTAD_CriticalMinerals_Diversification_20Feb2024_full-version

Cresti_slides_last_version

Rosenow and Mealy (2024) — Turning Risks into Reward — WB Working Paper 10696

Romero_Gramkow_2021

Deixe uma resposta