Breve história do que a indústria brasileira já soube fazer. Pobre Pindorama!

*escrito com Fausto Oliveira

Elogiar o projeto de atraso nacional é desconhecer a história do Brasil e repetir ladainhas contra as evidentes possibilidades de grandeza do país. Coisa de quem já se convenceu de que o destino do Brasil é ser pequeno e criminosamente desigual. Vejamos: o Brasil produzia caminhões na Fenemê. Se não fosse a sabotagem iniciada pelo governo Dutra, o Brasil teria hoje uma Scania?

A empresa nacional Gurgel introduziu o carro elétrico, aquele no qual hoje o mundo inteiro enxerga o futuro. Mas na época governo mudou a legislação por lobby das montadoras estrangeiras só pra o Gurgel perder mercado em casa. Aí, morreu… (Governo que mata empresa doméstica só no Brasil mesmo, aff)

Nesta época o país produzia aparelhos eletroeletrônicos de nível tecnológico similar ao do resto do mundo. Se o Brasil, esse país tão fechado, tivesse promovido de fato sua indústria, a Gradiente não poderia ser hoje uma Sony?

A Engesa produziu o poderoso carro de combate Osório nesta época. durante esta época a Embraer lançou seus primeiros aviões, como o Tucano, precursor de toda a glória da aviação nacional que são os E-Jets e o KC-390. Enfim, quase chegamos lá. mas os próprios brasieliros depois optaram pelo suicidio a partir dos anos 90, capitaneados por “brilhantes” economistas” Pobre Pindorama!

5 thoughts on “Breve história do que a indústria brasileira já soube fazer. Pobre Pindorama!”

  1. Lembro que em uma apresentação de tiro real, para venda, o Osório se saiu bem melhor que o modelo americano e outros europeus. Só não ganhou porque o lobby norte-americano foi muito forte. Infelizmente, aqui no Brasil, acham mais fácil vender tudo do que modernizar e investir. O Brasil vai ser um eterno fornecedor de commodities.

  2. Considerando que nunca tivemos governos liberais, posso considerar que os intervencionistas que tivermos foram todos burros?

Deixe uma resposta