Uma nova maneira de entender a Desigualdade Econômica no Brasil

Em maravilhoso paper sobre o tema, Hartmann et al (2016) mostram que o enorme avanço em termos de redução de desigualdades da Ásia dinâmica está relacionado ao aumento da sofisticação produtiva e complexidade econômica. A manutenção da desigualdade da América Latina se deve a uma estrutura produtiva ainda “arcaica”, baseada em commodities, de baixa complexidade e […]

Indústria, PIB e complexidade produtiva dos estados brasileiros

Complexidade produtiva é indústria e serviços empresárias escaláveis. Quando instalada essa estrutura vira uma bomba de sucção regional graças às absurdas economias de escala e escopo. A nova geografia econômica explica isso de maneira ridiculamente simples! Valores exatos do PIB por estado aqui: https://www.ibge.gov.br/explica/pib.php Como medir complexidade econômica? http://en.dataviva.info, ver também Construindo complexidade, Complexidade e renda per […]

A rede global de patentes: manufaturas dominam

A rede acima apresenta um mapa global de 6 milhões de patentes que caracterizam a proximidade e dependência entre áreas tecnológicas. Aborda a estrutura tecnológica incorporada na rede de conexão entre patentes. A distância entre as áreas de tecnologia baseia-se na análise da co-ocorrência de códigos IPC atribuídos aos documentos de patente individuais. A classificação […]

A complexidade das manufaturas ou o que produz uma “knowledge economy”?

Para os clássicos do desenvolvimento econômico a industrialização sempre foi o caminho por excelência para se desenvolver e aumentar a produtividade de um país. Os argumentos estruturalistas têm como pilar a ideia de que o setor industrial e’ a chave para o aumento de produtividade de uma economia. Desde o argumento da tendência declinante dos termos de troca, passando pela ideia de Prebsich de […]

A Cepal acertou: analise de complexidade para entender Prebisch e Furtado

Os antigos economistas do desenvolvimento, também conhecidos como estruturalistas, dividiam-se em duas principais correntes: uma anglo-saxã e outra latino-americana. Ambas as vertentes baseavam suas análises sobre desenvolvimento econômico em conceitos de “linkages” ou ligações produtivas, complementaridades, armadilhas de pobreza e dualismos. A visão estruturalista definia o desenvolvimento econômico como uma transformação radical na estrutura produtiva […]