Países complexos tem baixa desigualdade

Num instigante trabalho que conecta complexidade, instituições e desigualdade Cesar Hidalgo, Dominik Hartman, et el conseguem demonstrar de maneira robusta que países mais complexos apresentam níveis de desigualdade menores medidos por coeficientes gini. Os autores constroem uma criativa metodologia de índice gini ajustado por complexidade do tecido produtivo e chegam a resultados impressionantes em termos […]

Os grandes hubs produtivos do mundo: ou porque as condições de comercio são desiguais

Em seu maravilhoso livro sobre redes com o título Linked, o físico romeno Albert Barabasi explica de forma detalhada, clara e elegante como suas contribuições seminais para a física das redes e complexidade surgiram. Dos inúmeros exemplos e exposições claríssimas sobre o tema para leigos se destaca o exemplo das redes complexas conhecidas na física […]

A complexidade das manufaturas ou o que produz uma “knowledge economy”?

Para os clássicos do desenvolvimento econômico a industrialização sempre foi o caminho por excelência para se desenvolver e aumentar a produtividade de um país. Os argumentos estruturalistas têm como pilar a ideia de que o setor industrial e’ a chave para o aumento de produtividade de uma economia. Desde o argumento da tendência declinante dos termos de troca, passando pela ideia de Prebsich de […]

Uma nova maneira de entender a Desigualdade Econômica no Brasil

Em maravilhoso paper sobre o tema, Hartmann et al (2016) mostram que o enorme avanço em termos de redução de desigualdades da Ásia dinâmica está relacionado ao aumento da sofisticação produtiva e complexidade econômica. A manutenção da desigualdade da América Latina se deve a uma estrutura produtiva ainda “arcaica”, baseada em commodities, de baixa complexidade e […]

Visual da riqueza e pobreza das nações

Seguindo a idéia de classificação de complexidade dos produtos que resulta no indicador “product complexity index” PCI e’ possível analisar a pauta de exportação de um pais segundo a complexidade dos bens exportados ECI. Se um pais A exporta para muitos países num mercado de baixa complexidade medido por PCI baixo (digamos alpiste), suas capacidades produtivas […]

Por que não somos ricos? Complexidade Econômica para entender a Riqueza e Pobreza das Nações de forma simples

O processo de desenvolvimento sempre intrigou os economistas. Pensadores do passado – como o italiano Antonio Serra, de Nápoles, no início do século XVII; John Cary, de Bristol, no final do século XVII; ou Duarte Ribeiro de Macedo, de Portugal, na mesma época – indagavam sobre o que fazer para acelerar o progresso do reino […]

A vingança dos estruturalistas

O atlas da complexidade econômica como breakthrough empírico que faltava a Hirschman, Nurkse, Rosenstein-Rodan, Singer, Lewis, Myrdal, Prebisch e Furtado ver Atlas da complexidade economica, Inglaterra, nacao protecionista, Grandes economistas “estruturalistas” italianos dos 1600 e 1700, Para entender a riqueza e pobreza das nações hoje, Construindo complexidade *paper que escrevi sobre o tema: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0101-31572018000200219&script=sci_abstract&tlng=en Para os clássicos do desenvolvimento […]

A Cepal acertou: analise de complexidade para entender Prebisch e Furtado

Os antigos economistas do desenvolvimento, também conhecidos como estruturalistas, dividiam-se em duas principais correntes: uma anglo-saxã e outra latino-americana. Ambas as vertentes baseavam suas análises sobre desenvolvimento econômico em conceitos de “linkages” ou ligações produtivas, complementaridades, armadilhas de pobreza e dualismos. A visão estruturalista definia o desenvolvimento econômico como uma transformação radical na estrutura produtiva […]

Redes e retornos crescentes: Barabasi encontra Krugman

Numa rede randômica os nós têm uma quantidade aleatória de links. Numa rede complexa scale-free e com hubs, alguns nós têm a maioria dos links e a grande maioria dos outros nós tem pouquíssimos links. Uma distribuição gaussiana caracteriza o primeiro tipo de rede enquanto que uma distribuição do tipo power law caracteriza o segundo […]

O comércio mundial visto como uma rede

Na modelagem usada por Hidalgo e Hausmann (2012) https://atlas.media.mit.edu/en/resources/methodology/ as relações de comércio mundial podem ser entendidas como uma rede bipartite complexa (figura abaixo) formada a partir de três simples hipóteses: i)produtos do comércio mundial necessitam de capacidades locais não transacionáveis para serem produzidos, ii)cada país pode ser caracterizado por um conjunto dessas capacidades locais, iii)países só podem produzir […]

Impactos da complexidade econômica na desigualdade social: América Latina e Ásia dinâmica

Em maravilhoso paper sobre o tema, Hartmann et al (2016) mostram que o enorme avanço em termos de redução de desigualdades da Ásia dinâmica está relacionado ao aumento da sofisticação produtiva e complexidade econômica. A manutenção da desigualdade da América Latina se deve a uma estrutura produtiva ainda “arcaica”, baseada em commodities, de baixa complexidade e […]

A CEPAL estava certa: big data, redes complexas scale-free e padrões centro-periferia no comércio mundial

A regressão acima mostra que há uma correlação importante entre o número total de arestas de cada país no comercio mundial e renda per capita; quanto mais próximo do centro da rede global de comércio esta o pais, maior a renda per capita. Tanto número total de links quanto renda per capita aumentam de forma […]