Cimentos Dangote: uma incrível história de sucesso na política industrial da Nigéria

*escrito com Felipe Augusto

É a estrutura produtiva que deve determinar os Acordos e as estratégias comerciais, e não o contrário. a política industrial nigeriana voltada à produção de cimento alterou o padrão colonial de comércio. O padrão colonial, liderado por empresas europeias, não gerou encadeamentos locais e não permitiu o surgimento de empresas de capital africano. Com 90 milhões de pessoas morando nas cidades, a Nigéria tem um grande potencial a ser explorado com vistas à industrialização.

O governo começou limitando as licenças de importação somente àquelas empresas que produzissem cimento localmente utilizando insumos nacionais. Ademais, ajudou as empresas a conseguirem empréstimos baratos de corporações financeiras internacionais. Isentou impostos (VAT, impostos de importação sobre máquinas e equipamentos e impostos sobre investimentos). Estabeleceu Comitês público-privados para reduzir barreiras não tarifárias e facilitar o comércio com vizinhos, além de instituir programas de transporte alternativos. As Importações, que representavam 76,5% do consumo doméstico quando a política foi implementada em 2002, caíram para apenas 3,5% em 2018. A Produção doméstica saiu de 3 para 45 milhões t, com 95% dos insumos fornecidos localmente. As Exportações cresceram 65% (maior crescimento setorial).

Não se tratou apenas de quantidade. O cimento da Dangote, principal produtora nigeriana e 10ª maior do mundo, foi o primeiro na África a obter o mais alto grau de qualidade. Em 2010, criou um Instituto para treinar os empregados a adquirirem novas habilidades. Após atingir autossuficiência na produção de cimento em 2014/2015, as maiores empresas do país passaram a investir em países vizinhos. Hoje, por exemplo, a Dangote que administra a sua própria cadeia regional de valor. uma estratégia de inserção em cadeias globais de valor já em 2002 teria limitado o aprendizado organizacional e produtivo obtido pelas empresas com a criação de cadeias produtivas inteiras no país. Como resultado, as diversas estratégias de expansão da Dangote não teriam sido possíveis. Outros países africanos que aderiram a cadeias de valor antes de desenvolverem aprendizado produtivo não foram bem-sucedidos

Referências

https://www.academia.edu/40890497/Is_traditional_industrial_policy_defunct_Evidence_from_the_Nigerian_cement_industry

https://theconversation.com/amp/africa-should-focus-on-industrialisation-free-trade-will-follow-127142?__twitter_impression=true

Deixe uma resposta