Contradições dos “founding fathers” americanos: heróis da liberdade e senhores de escravos

A posse de escravos pelos Founding Fathers dos Estados Unidos apresenta uma das contradições mais profundas e perturbadoras da história americana. Esses líderes, que articularam e lutaram pelos princípios de liberdade, igualdade e justiça, muitas vezes possuíam escravos, mantendo uma prática que contraria esses valores fundamentais.

Founding Fathers e a Escravidão

  1. Thomas Jefferson: Autor da Declaração de Independência, que proclamava que “todos os homens são criados iguais”, Jefferson possuía mais de 600 escravos ao longo de sua vida. Apesar de expressar preocupações morais sobre a escravidão e reconhecer suas contradições, ele não libertou a maioria de seus escravos, inclusive após sua morte.
  2. George Washington: O primeiro presidente dos Estados Unidos possuía mais de 300 escravos na época de sua morte. Washington teve sentimentos conflitantes sobre a escravidão, e em seu testamento, ordenou a libertação de seus escravos após a morte de sua esposa, Martha.
  3. James Madison: Conhecido como o “Pai da Constituição”, Madison também possuía escravos. Ele acreditava que a escravidão era um mal, mas não fez esforços significativos para abolir a prática, preocupado com as implicações econômicas e sociais da emancipação.
  4. Benjamin Franklin: Embora possuísse escravos no início de sua vida, Franklin tornou-se um abolicionista fervoroso mais tarde, libertando seus escravos e se tornando presidente da Sociedade da Pensilvânia para a Promoção da Abolição da Escravidão.

Contradição com as Ideias de Liberdade

  1. Declaração de Independência: A afirmação de que “todos os homens são criados iguais” contrasta fortemente com a realidade da escravidão praticada por muitos dos que assinaram esse documento. Essa discrepância expôs uma hipocrisia inerente na fundação do país.
  2. Constituição dos EUA: A Constituição, que delineou um governo baseado nos princípios de liberdade e justiça, incluía cláusulas que protegiam a escravidão, como os Três Quintos Compromisso e a proteção do comércio de escravos até 1808. Isso mostrou um compromisso ambíguo com os ideais de liberdade.
  3. Economia e Sociedade: A dependência econômica da escravidão, especialmente no Sul, criou uma tensão entre os ideais de liberdade e a realidade econômica. Muitos Founding Fathers temiam que a abolição imediata da escravidão causasse instabilidade social e econômica.

Impacto Histórico

A contradição entre a posse de escravos e os ideais de liberdade teve um impacto duradouro na sociedade americana. Ela plantou as sementes para o conflito que culminaria na Guerra Civil e continua a influenciar debates sobre raça, igualdade e justiça social nos Estados Unidos.

Reflexão

A existência dessa contradição obriga uma reflexão sobre a complexidade da natureza humana e os desafios de implementar ideais elevados em práticas cotidianas. Reconhecer as falhas dos Founding Fathers não diminui suas contribuições, mas oferece uma visão mais completa e honesta da história americana, ressaltando a necessidade contínua de lutar pela realização dos ideais de liberdade e igualdade para todos.

2 thoughts on “Contradições dos “founding fathers” americanos: heróis da liberdade e senhores de escravos”

  1. A razão me parece a mesma para que os gregos na antiguidade, embora compartilhassem valores que poderia ser considerado democrático. A razão seria: respeito a lei. E por que os gregos respeitariam a lei tão distante dos princípios humanitários ? Pela mentalidade vigente encontraríamos a resposta. Mas qual exatamente a mentalidade? Não sei dizer, porque não conheço o suficiente da historia dos gregos.

Deixe uma resposta