Fragatas Tamandaré, Caças Gripen NG, submarinos Scorpene BR e sistema Astros: made in Brazil com ajuda do Estado

*escrito em colaboracao com Luis Felipe Giesteira

Os  projetos mais importantes das Forças Armadas brasileiras hoje são a fragata classe Tamandaré, os caças Gripen NG e o sistema de lançamento de misseis ASTROS. O míssil de cruzeiro é a arma contemporânea por excelência: um foguete guiado em tempo real, com precisão de até 10m. Nosso modelo tem um motor inicial a combustível sólido e depois é propulsado por uma turbina (nacional, da Polaris https://exame.abril.com.br/tecnologia/brasileiros-criam-microturbina-para-misseis/ ). Nosso modelo terá alcance de 300 a 500 km; elementos essenciais para avançar nessa rota tecnológica, ampliar o alcance (1000 km seria ótimo), aumentar a velocidade (está em 800 km/h) e a precisão. Todos esses projetos com produção doméstica e transferência relevante de conteúdo tecnológico de parceiros do exterior no caso do Gripen. A onda de cortes orçamentários a partir de 2015 prejudicou bastante o projeto para a modernização dos navios da marinha brasileira. No momento o projeto da corveta Tamandaré ainda está de pé e ja foi escolhido o vencedor, é o consorcio entre a Embraer e a Thyssen Krupp, o Meko/100, 4 corvetas por US$1,6 bilhoes, quer dizer, cada corveta irá custar 400 milhoes de dolares e conteudo nacional de 40%.Em 2012, a Argelia assinou um contrato com a Thyssenkrupp para adquirir 4 corvetas da classe Meko/200, maiores, por 2,2 bilhoes de euros, incluindo a construção de um estaleiro na Argelia, mais 6 helicopteros Agusta Westland e a intenção de mais 2 corvetas construidas na Argelia.

O PROSUB, assinado com os franceses, preve a construcao de 5 submarinos, sendo 1 nuclear e 4 a diesel por 35 bilhoes de reais, incluindo a construção de um estaleiro para submarinos da marinha; o problema é que o submarino Scorpene é um projeto antigo dos anos 70 e ja foram gastos 21 bilhoes de reais e entregue apenas 1 submarino, com 20% de conteudo nacional, cada submarino irá custar aproximadamente 700 milhões de dolares. O Japão chegou a oferecer ao Brasil o submarino Soryu, muito mais moderno, com motores stirling, que não precisa de oxigenio p/ funcionar submerso, cada submarino custou entre 500 a 600 milhoes de dolares aos japoneses. Os caças Gripen contratados lá atrás parece que vão voar. O prgrama ProSub para desenvolvimento de submarinos movimentou 700 empresas civis nacionais, 18 universidades e institutos de pesquisa, e foi responsável pela geração 4,8 mil empregos diretos e 12,5 mil empregos indiretos. Será que esses projetos vão sobreviver aos cortes orçamentários? Histórias aqui:

Avibras e sistema Astros

https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Astros_II

Caça Gripen e parceria com Embraer:

https://airway.uol.com.br/primeiro-caca-gripen-ng-do-brasil-entra-na-fase-final-de-producao/

https://g1.globo.com/politica/noticia/militares-dizem-que-lula-nao-influenciou-dilma-na-escolha-de-cacas-suecos.ghtml

Empresa brasielira Akaer: https://www.ovale.com.br/_conteudo/2018/01/economia/30211-akaer-visa-dobrar-faturamento-anual-para-r-100-milhoes-e-expandir-aquisicoes.html?fbclid=IwAR2gClzjqG-7t3UChvlIUHZCYIAbeMBK9nDFV87fTBwhS5nW-1OMRW78gt8

Programa de submarinos brasileiros:

https://www.defesaaereanaval.com.br/naval/labgene-conhecendo-a-planta-nuclear-do-submarino-de-propulsao-nuclear-brasileiro

https://www.naval.com.br/blog/2018/10/20/primeiro-submarino-brasileiro-classe-scorpene-sera-lancado-ao-mar-em-dezembro/

https://www.em.com.br/app/noticia/internacional/2018/12/14/interna_internacional,1013300/primeiro-submarino-brasileiro-com-tecnologia-francesa-e-lancado.shtml

Fragatas Tamandaré e os projetos da Marinha:

http://tecnodefesa.com.br/corveta-classe-tamandare-uma-analise-completa-por-paulo-maia/

https://www.naval.com.br/blog/2019/04/02/corvetas-classe-tamandare-serao-redesignadas-como-fragatas/?fbclid=IwAR0A0PHpLev1H8zwpwxH9WemZ7tSoz9ti1ayG85a_tHuHVFzmndrIP5RJMo

Blindado Guarani:

https://pt.wikipedia.org/wiki/VBTP-MR_Guarani

http://www.dct.eb.mil.br/index.php/termo-de-fomento-a-ser-firmado-entre-o-exercito-brasileiro-e-a-fundacao-parque-tecnologico-de-itaipu-br/35-programas-e-parceiros/88-projeto-guarani

Tanque Osório dos anos 80:

https://pt.m.wikipedia.org/wiki/EE-T1_Osório

Fuzil Imbel IA2:

https://pt.m.wikipedia.org/wiki/IMBEL_A2

Misseis brasileiros:

http://tecnodefesa.com.br/av-mtc-em-canoas-nao-e-um-missil-ar-terra-fonte-esclarece/?fbclid=IwAR2top0jK9K9kSq37cuH_jMkJ8wwhqekD__GgMDPyORjG6k5YGUJgSge4P4

Prosub e Odebrecht:

A constituição da Odebrecht Defesa & Segurança, que foi escolhida pelo Naval Group francês como parceiro brasileiro no PROSUB que prevê a entrada do Brasil no seleto grupo dos países que fabricam submarinos nucleares (só EUA, Rússia, França, RU, China e agora a Índia tem essa capacidade). A Odebrecht era então a maior empresa 100% nacional e tinha capital para investir no caro mercado de defesa e teve disposição para isso.

https://g1.globo.com/fantastico/noticia/2019/08/18/conheca-o-gripen-do-brasil-o-caca-com-dna-brasileiro.ghtml

Caças Grippen:

O novo caça da FAB

Deixe uma resposta