Dolár toca R$5,29 com tensão externa e interna

Ontem foi mais um dia marcado por fortes tensões, tanto para o Brasil quanto para as economias globais. O índice Bovespa atingiu o nível mais baixo desde outubro passado, refletindo a notícia do varejo robusto nos Estados Unidos, com um aumento de 0,7%, superando as expectativas de 0,4%, indicando um cenário de aquecimento econômico americano além do previsto para este ano. Além disso, as tensões no Oriente Médio, decorrentes do ataque do Irã, também geraram preocupações, embora tenham diminuído um pouco no dia anterior. Esses dois fatores, por si só, já seriam suficientes para pressionar o dólar e os juros futuros no Brasil. No entanto, o anúncio do governo sobre a meta fiscal para 2025, com um déficit primário esperado de 0%, abaixo das expectativas de superávit, deixou o mercado bastante estressado. O dólar chegou a testar o valor de 5,20 ontem e hoje foi a R$5,29, atingindo o nível mais alto em mais de um ano. Os juros longos também registraram uma alta significativa, com o Janeiro 34 ultrapassando os 11,5%, indicando uma deterioração agressiva no mercado de juros. O juro longo americano foi acima de 4,6%. Essa desvalorização da moeda brasileira reflete não apenas fatores internos, como o anúncio fiscal e vencimentos de títulos em dólar, mas também fatores externos, como as preocupações com a política monetária dos Estados Unidos e temores de inflação. A ministra Simone Tebet afirmou pela manhã que o governo está comprometido com o equilíbrio fiscal e busca alcançar uma meta de déficit zero, o que trouxe alguma estabilidade ao mercado. Além disso, dados positivos sobre o crescimento da economia chinesa no primeiro trimestre podem ajudar a acalmar as preocupações. No entanto, é cedo para dizer se o Banco Central irá desacelerar os cortes de juros, dada a incerteza sobre a política monetária dos Estados Unidos. A próxima reunião do Banco Central ainda está distante, e é possível que o debate sobre os cortes de juros ganhe mais força, especialmente diante das dificuldades enfrentadas pela economia brasileira.

Deixe uma resposta