IBC-Br mostra PIB crescendo no terceiro trimestre

Hoje começou a reunião do FED e do Banco Central brasileiro. Temos três dias consecutivos de grande importância com decisões de política monetária no Brasil e no mundo. Começando pelo Brasil, provavelmente teremos um corte de cinquenta pontos-base, em linha com as expectativas de mercado. Há um consenso sobre esse corte, mas a discussão gira em torno do nível de ociosidade na economia brasileira. No Banco Central, há dois grupos, um que acredita em maior ociosidade e outro em menor ociosidade, o que afetará a trajetória futura da SELIC. A taxa deve terminar o ano em 11,75%. A questão agora é onde ela pousará: 8%, 9% ou 10%? Essa será a discussão no início do próximo ano. No FED, não se espera mudança na taxa de juros, mas o foco estará no comunicado e no Dot Plot, que reflete as visões dos diretores do FED e possíveis indicações sobre futuros passos. A alta dos preços do petróleo é uma preocupação, e a gasolina subiu nos EUA. Na quinta-feira, o Banco Central da Inglaterra (BOE) também deve anunciar uma possível alta e o término do ciclo de política monetária. Na sexta-feira, o Banco do Japão (BOJ) pode anunciar mudanças em sua estratégia de controle de juros longos. O BOJ mantém títulos públicos em sua carteira para manter as taxas longas próximas de zero, mas com a aceleração da inflação no Japão, espera-se que essa estratégia mude. Na China, o Banco Central também tomará decisões de política monetária, embora não se espere grandes mudanças. Os mercados estão acompanhando de perto essas decisões. Agora de manhã tivemos a divulgação do IBC-BR com uma alta de 0,40% em julho, uma boa notícia que mostra que o PIB do terceiro trimestre pode ser positivo, apesar de algumas preocupações com seu desempenho. No geral, as perspectivas para o crescimento econômico no Brasil são positivas, o que pode impulsionar a arrecadação e as expectativas de investimento. A agenda do dia está mais esvaziada, e agora ficamos aguardando as decisões dos bancos centrais e o que eles comunicarão amanhã.

Deixe uma resposta