IPP mostra deflação nos preços industriais no Brasil

Ontem o destaque foi a ata do Fed, que, na verdade, não trouxe grandes novidades. Os diretores do Fed reconhecem um progresso em relação à meta de um mercado de trabalho mais equilibrado, com previsão de um PIB crescendo menos em 2024. Há uma crença dos diretores de que a política monetária tem feito seu papel, controlando a inflação e ajudando a trazê-la para a meta. O dado mais recente do mercado de trabalho revelou uma abertura de vagas mais fraca, atingindo o menor nível desde o início da pandemia nos Estados Unidos. A relação de vagas abertas por desempregados caiu para 1,4, com cerca de 6,2 milhões de americanos desempregados e 8,7 milhões de vagas disponíveis. Este número já foi de 1 para 2, com 12 milhões de vagas abertas para 6 milhões de desempregados, indicando uma desaceleração e enfraquecimento do mercado de trabalho. Embora esses dados não tenham sido incluídos na ata de dezembro, de modo geral, os diretores reconhecem que o mercado de trabalho está caminhando rumo ao equilíbrio. Tudo indica que eles começarão a cortar juros em 2024, mas não está claro se será em março. O mercado projeta uma probabilidade de quase 70% de cortes de juros em março; a taxa atual está em 5,5%. Talvez março seja cedo demais. De qualquer forma, espera-se que os juros comecem a cair este ano, embora não de forma abrupta, estimando uma redução de cerca de 100 a 150 pontos base, trazendo a taxa para um patamar menor, mas ainda elevado para os padrões americanos. Além disso, a China apresentou dados melhores do que o esperado, com o PMI composto e o PMI de serviços alcançando os melhores resultados em mais de seis meses. Isso contrasta com a desaceleração da atividade nos Estados Unidos, na Europa e no Brasil. A atividade na China está demonstrando vigor, impulsionando commodities como o minério de ferro, que continua em trajetória ascendente. No Brasil, o IPP do IBGE indicou deflação em novembro, uma novidade após uma sequência de altas, destacando que a inflação de atacado está mais ligada a commodities do que a preços industriais. Por fim, espera-se a divulgação do relatório ADP hoje, que mostrará a criação de empregos nos Estados Unidos.

1 thought on “IPP mostra deflação nos preços industriais no Brasil”

Deixe uma resposta