Jogos como Age of Empires ensinam como a economia funciona

*escrito por João Romero

Há décadas jogos de diferentes tipos exploram a história. Call of Duty é um clássico em 1a pessoa baseado na história das guerras, batalha por batalha. Age of Empires foi o primeiro jogo de civilização a explorar história, junto com dominação militar e economia. Eu adorava Age of Empires. E quem já jogou bem sabe que pra ganhar no jogo é fundamental ter uma boa economia, com muitta gente coletando recursos, pra financiar não só a criação de exércitos, mas tambem os avanços tecnológicos na universidade, forja, etc, pra melhorar os exércitos. Já tinha ali embutida uma visão inicial do funcionamento de sociedades e da dinâmica de desenvolvimento. Age of Mythology explora a história das sociedades e suas mitologias, introduzindo mundanas nas características das diferentes sociedades. Se tornou um jogo muito melhor. Em Age of Mythology a civilização nórdica tem características diferentes da grega, que é diferente da egípcia, etc. Cada uma com suas vantagens e desvantagens do ponto de vista do jogo. Começava a ser introduzida a noção de instituições diferentes: costumes, normas, etc.

O artigo abaixo discutido o jogo Europa Universalis, que eu não conheço, mas fiquei curioso de conhecer. Segundo a descrição ele explora a história da Europa, levando em consideração diferenças institucionais e explorando a expansão dessas instituições. O jogo utiliza uma mecânica de “instituições”, como a imprensa e o Iluminismo(…). O jogador é ensinado que o que tornou a Europa excepcional foi a adoção dessas instituições, que permitiram o crescimento tecnológico florescer. Contudo, a discussão sobre instituições e desenvolvimento é extremamente controversa. Sobretudo no que diz respeito à relevância de instituições específicas como as mencionadas no texto. Não há dúvida de que instituições influenciam o processo de desenvolvimento econômico. Uma primeira controvérsia é sobre quais instituições são mais importantes. Instituições formais (leis) ou informais (cultura)? Qualidade do governo, defesa do direito de propriedade, ou sistema nacional de inovações? Judiciário eficiente, democracia ou sistema de ensino? Outra controvérsia é sobre o tamanho do impacto de instituições específicas sobre o crescimento econômico. Ou se seria o crescimento que seria primordial pra impulsionar o avanço de certas instituições, num processo de causação circular e com forte dependência de trajetória. E talvez a maior pergunta não respondida: como exatamente são criadas e modificadas instituições? Através de rupturas (golpes e revoluções), por influência externa, e/ou por mudanças pequenas e constantes como no processo evolucionário descrito por Veblen e outros? Em resumo, com o aumento da complexidade dos jogos de computador, vários temas relacionados a história, economia e ciências sociais têm sido incorporados aos jogos, provavelmente sem mto critério. Mas tb há limitações no q sabemos sobre o funcionamento de sociedades. Jogos, assim como modelos, são representações imperfeitas da realidade. A vantagem dos jogos é fazer os jovens refletir sobre esses temas (será?). O perigo é q jogos tem se tornado mto influentes, podendo expandir visões equivocadas ou imperfeitas sobre esses temas.

https://www.theatlantic.com/ideas/archive/2022/03/history-video-games-europa-universalis/622892/?utm_source=feed

https://www.ageofempires.com/

 

Deixe uma resposta