M.H. Simonsen e o grande erro do II PND de Geisel

O erro do Segundo Plano Nacional de Desenvolvimento, aquele que foi adotado no Governo Geisel, se deu no seu trato financeiro, não se deu no seu trato econômico. Colocar o problema da divida externa junto com a política industrial é misturar alhos com bugalhos! O trato financeiro do programa era de responsabilidade do Ministério da Fazenda era dirigido por Mario Henrique Simonsen. A motivação em diminuir a vulnerabilidade externa do Brasil, pós crise do petróleo de 1973, motivou a produção nacional dos componentes que mais oneravam, na época, além do petróleo, a pauta de importações. Uma política industrial ousada e que deu certo. Isto se processava dentro da política buscada de industrialização do país. O plano se centrava na produção, no país, de bens de capital e de insumos básicos, para a formação de um completo parque industrial. O sistema de financiamento concebido para o Segundo Plano de Desenvolvimento, entretanto, teve consequências dramáticas. É verdade que Delfim Netto já havia começado o endividamento com taxas flutuantes na abundância dos petrodolares durante o próprio milagre. O plano do II PND intensificou isso utilizando recursos que sobravam nos países produtores de petróleo, resultantes do choque de 1973, e que além de serem impingidos aos projetos de investimentos, foram também realizados a taxas de juros variáveis. A elevação brutal dessas taxas no início da década de oitenta por Paul Volcker destruiu os passivos das estatais e empresas que embarcaram nessa onde endividamento externo. O parque industrial foi feito, mas as dívidas em dólar e as subsequentes desvalorizações cambiais acabaram jogando o Brasil num processo inflacionário fora de controle. O culpado mais da história foi Simonsen que levou adiante um plano agressivo de endividamento externo. Mas a pecha ficou com a política industrial, como se essa tivesse causado nossos problemas dos 80! Culpar toda a fase desenvolvimentista brasileira pela crise dos 80 e não o plano Simonsen de financiamento é um erro histórico grosseiro!

Referências:

15 anos de Política Econômica , de Carlos Lessa

Desenvolvimento Capitalista no Brasil, ensaios sobre a crise, de Luiz Gonzaga Belluzzo

https://www.scielo.br/j/rep/a/TKZJSVmsRP9jjfmrxyDBh7f/?lang=pt

Debate com Samuel Pessôa – Texto 6 – Por que abandonamos a mentalidade que nos desenvolvia?

Livro Tadini I: Livro do TADINI – O Setor de Bens de Capital Sob Encomenda – Análise do Desenvolvimento Recente – atualização Março 1993-min

Livro Tadini II: Livro do TADINI – O Setor de Bens de Capital Sob Encomenda – Análise do Desenvolvimento Recente (1974 – 83)

Deixe uma resposta