Não é fácil produzir Máscaras para se proteger do Covid. A China consegue!

*escrito com Felipe Augusto

Máscaras N95 (que filtram 95% das partículas do ar) se tornaram provavelmente o produto mais desejado da humanidade neste momento. O problema é que, apesar de não parecer, é difícil produzi-las, o que explica porque estão em falta no mundo. O gargalo é um tecido derretido de polímeros sintéticos que é transformado, com jatos de ar quente, em fios com menos de 1 micron de diâmetro . As partículas que voam em direção aos fios ficam presas. Ao mesmo tempo, como os fios são muito finos, a respiração ocorre normalmente. As máquinas que produzem estes fios devem ser precisas, pois o ar precisa estar em condições perfeitas ao longo do comprimento da máquina. Elas custam em torno de EUR 3,8 milhões cada uma. Apesar das dificuldades, o governo chinês está determinado em superar o gargalo. A SINOPEC (uma Petrobras chinesa) investiu US$ 29 milhões para instalar dez linhas de produção do tecido. Enquanto empresas costumam solicitar pelo menos 6 meses para produzi-las, a SINOPEC afirmou que fará em 16 dias. Como poucos sabem fazer o tecido e a demanda por ele cresceu exponencialmente, seu preço aumentou em 10 vezes na China, mas o Estado está absorvendo custos. “Nossos suprimentos de tecido derretido são todos coordenados pelos governos locais e provinciais”

https://www.npr.org/sections/goatsandsoda/2020/03/16/814929294/covid-19-has-caused-a-shortage-of-face-masks-but-theyre-surprisingly-hard-to-mak

http://www.xinhuanet.com/fortune/2020-03/03/c_1125653905.htm

2 thoughts on “Não é fácil produzir Máscaras para se proteger do Covid. A China consegue!”

  1. Oi Paulo, as máscaras, na verdade são feitas de “não-tecidos”, do inglês non-woven. Diferentemente dos tecidos, que são produzidos em teares, os não-tecidos são produzidos por injetoras, agulhas e jatos de ar que dão o formato final condorme sua utilização na indústria.
    Abraço!

Deixe uma resposta