Não existe desenvolvimento econômico pela via agrícola

O gráfico acima mostra a participação dos empregos agrícolas no total de empregos no mundo para diversos países em 2011 (base de dados WIOD http://www.wiod.org/new_site/home.htm). A ordenação do eixo X esta feita em termos de renda per capita real (PPP), da menor para a maior. Fica bem claro nessa amostra que não há desenvolvimento econômico pela via agrícola. Ate mesmo países de agricultura pujante, modelos no momento, empregam não mais do que 5% da força de trabalho nessa atividade: Espanha, Franca, EUA, entre outros. Os grandes contingentes de pessoas empregadas na agricultura mundo afora estão nas culturas de subsistência, a la A. Lewis; destaque aqui para Indonésia, Índia, China e Brasil. As assim chamadas “potencias agrícolas” empregam seus trabalhadores nos serviços sofisticados, indústria e agroindústria (alimentos processados). No Brasil muitos ainda não conseguiram compreender isso.



As fases do desenvolvimento de um país: agricultura, serviços não sofisticados, indústria e serviços sofisticados

Mapa com todos empregos do mundo

A industrialização causa a riqueza das nações

Agro e PIB per capita! https://ourworldindata.org/growth-and-structural-transformation-are-emerging-economies-industrializing-too-quickly/

nas palavras de F. List:

\

*a Holanda é um belo exemplo de país potência agrícola e industrial!

Desigualdade no agronegócio:

http://revistagloborural.globo.com/Revista/Common/0,,EMI319930-18531,00-AGRONEGOCIO+E+POBREZA+CRESCEM+JUNTOS+NO+INTERIOR+PAULISTA+DIZ+PESQUISA.html

https://www.wto.org/english/res_e/statis_e/wts2018_e/wts2018_e.pdf

18 thoughts on “Não existe desenvolvimento econômico pela via agrícola”

  1. Eu venho de uma cidade que era basicamente “rural” do interior de MG. Uma pessoa só fica na “roça”, e aqui roça significa agricultura de subsistência, se não há condição nenhuma de ir para a cidade. Meu pai, que tem 70 anos e trabalha no sítio, não encontra mais mão de obra para as coisas mais simples. Ou seja, agricultura de subsistência é falta de opção e não solução.

  2. Mas hoje existe um fluxo migratório inverso (cidade-campo), ainda que tímido, buscando qualidade de vida e não riqueza. A economia não analisa apenas riqueza, não é mesmo?

  3. Nossa agricultura é: Monsanto, DuPont Pioneer, Syngenta, Bayer, Dow, Massey-Ferguson, Ford, Valmet. Nossa indústria é: Bunge(EUA), Vale (maioria das ações estrangeiras), VW, Fiat, GM, ArcelorMittal, Usiminas (Ternium/Tenaris, Nippon). (Empregos operacionais para brasileiros, empregos de alto valor agregado e patentes nos países sede das respectivas multi.) E ainda há dúvida do não desenvolvimento de nossa nação?

  4. Achei sem fundamentação bibliográfica robusta, visão curta sobre o tema.
    falta de conhecimento do agronegocio e sua cadeia produtiva nacional ou mundial.
    Sugiro uma revisão bibliográfica e mais leitura sobre tema de desenvolvimento no setor agro (químicos, biológicos, mecânicos, eletrônicos, metereológicos, sociais etc… ou seja, geração de conhecimento e profissionalização).
    Política de AF é um outro assunto dentro do contexto do agronegocio e ou do contexto de desenvolvimento nacional.
    Sem mais sobre o assunto

    1. Por maiores que sejam, e por mais sofisticados que sejam, o agronegócio em geral não serve para o desenvolvimento de um país de 210 milhões de habitantes. O agronegócio sofisticado emprega menos gente por hectare utilizado, pois utiliza várias tecnologias para o seu aprimoramento e expansão, menos o ser humano para isso. Claro, é muito bom e gera muita riqueza, mas ela deveria ser utilizada para a geração de outras atividades econômicas que agregasse mais valor e uma maior diversificação das atividades industriais e econômicas do país. Além do que, quem produz commodities não controla seus preços, mas está sujeita a elas pelos países que processam essas commodities e criam mais valor agregado com elas e a exportam para o mundo inteiro. Muitos desses países são pequenos territorialmente, mas gigantes em termos tecnológicos, educacionais e em R&D. Repito, é muito bom o agronegócio, mas extremamente limitado para desenvolver um país inteiro como o Brasil.

  5. Gosto do tema. De facto tem sido discurso de alguns políticos e é bom debate se agricultura é base de desenvolvimento. Sem muita filosofia eu concordo que ela é base de subsistência das comunidades rurais para uma economia não diversificada, com baixa industrialização e serviços. Portanto, o desenvolvimento deve ser por diversificação, integração de vários sectores. Quando desenvolvem sectores de serviço, indústria ocorre a migração de força de trabalho da agricultura para estes e consequentemente aumenta demanda (quantidade e qualidade) de produtos agrícolas (associada a aumento de renda e estilo de vida, urbanização) e isso estimula o desenvolvimento agrícola. Portanto o desenvolvimento agrícola deve ser consequência do desenvolvimento de outros sectores e não a base de desenvolvimento do país. Segurança alimentar é poder e soberania!

Deixe uma resposta