O Brasil já teve sua marca doméstica de caminhões, a FNM! (que agora voltou elétrica)

A Fábrica Nacional de Motores (FNM) foi uma empresa brasileira fundada em 1942, durante o governo de Getúlio Vargas. Inicialmente, a FNM foi criada para produzir motores de aviação e motores para embarcações navais, como parte do esforço de industrialização e de modernização do Brasil. No entanto, em meados da década de 1950, a FNM expandiu suas atividades para a produção de veículos automotores, com foco na fabricação de caminhões e ônibus. A empresa rapidamente se destacou no mercado nacional, tornando-se uma das principais fabricantes de veículos comerciais do Brasil. O ponto alto da história da FNM ocorreu na década de 1960, quando lançou uma linha de caminhões e ônibus robustos e de alta qualidade, que logo se tornaram populares entre os transportadores e empresas de transporte de carga e passageiros. O modelo mais famoso da FNM foi o caminhão FNM D-11000, conhecido por sua confiabilidade e resistência. No entanto, a partir da década de 1970, a FNM começou a enfrentar dificuldades financeiras e de gestão, devido a uma série de fatores, incluindo a concorrência estrangeira e problemas internos na empresa. Em 1977, a FNM foi incorporada pela italiana Alfa Romeo, que assumiu o controle da empresa. A Alfa Romeo tentou revitalizar a FNM, mas, em 1980, a produção de veículos foi encerrada e a fábrica foi fechada. Desde então, a marca FNM foi descontinuada, e a empresa se tornou parte da história da indústria automotiva brasileira. Apesar do seu fim, a FNM deixou um legado importante na indústria automobilística brasileira, sendo lembrada até hoje por seus caminhões robustos e de qualidade, que contribuíram significativamente para o desenvolvimento do transporte de carga e de passageiros no país.

O retorno da marca:

O renascimento da FNM começou em 2008, quando uma empresa carioca do ramo de mobilidade adquiriu os direitos no Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) para usar o nome da histórica marca brasileira – inclusive a logomarca, inspirada no clássico logotipo da Alfa Romeo. Em sua nova versão, a sigla FNM passou a significar Fábrica Nacional de Mobilidades.  Sua divisão FNM Elétricos será voltada para soluções em mobilidade de alta tecnologia, com projetos de ônibus e caminhões com zero emissões.  A empresa também desenvolve o sistema “RePower”, para transformação de veículos a diesel em elétricos. A proposta é produzir modelos para transporte de cargas e de passageiros que proporcionem uma logística sem poluentes, silenciosa, segura, sustentável e sem emissão de carbono. O novo FNM é um ‘smart-truck’. Utiliza tecnologias de ponta, com tablet ligado com a TI operacional e com os sistemas de logística das empresas, incluindo monitoramento, soluções inovadoras de vídeo-telemática de câmeras anti-colisão com inteligência artificial, mudança de pista, alerta de partida de veículos à frente, alerta de motorista fumando e distraído, acelerômetro, avanço de sinal de trânsito vermelho, aviso de distância mínima dos veículos no trânsito, aviso de riscos de colisão, para-choques virtuais, telão de alta resolução na traseira, que pode transmitir imagem da câmera da frente ou anúncios, reconhecimento de sinais de tráfego, aviso de perigo de colisão com motocicletas e bicicletas e quatro câmeras – duas laterais, na dianteira e na traseira. Tudo sendo transmitido em tempo real para o centro de gestão dos frotistas e para a ‘nuvem FNM’… E com tudo pronto para se tornar um ‘caminhão autônomo’ no futuro.

https://www.fnm.rio/fnm/fnm—portugues.html

Deixe uma resposta