O câmbio de equilíbrio (PPP) no Brasil está entre R$6,04 e R$6,67 em 2020

Uma das maneiras interessantes para se medir a taxa de câmbio de equilíbrio de uma moeda é comparar o preço do Big Mac em dólares no país em questão com o preço do mesmo em dólares no resto do mundo. Teoricamente uma mesma cesta de produtos deveria ter o mesmo preço ao redor do mundo, especialmente se todos os bens que compõe essa cesta fossem transacionáveis, sujeitos a arbitragem do comércio internacional. Aplicando essa conta ao Brasil teriamos uma taxa de câmbio de R$3,66 que iguala o preço do Big Mac em dolares no Brasil e no mundo. Nossa moeda valia em Julho R$5,34, logo podemos dizer que estava subvalorizada em 31,5%. (3,66/5,34).

Ocorre que em paises mais pobres o custo de mão de obra, imoveis e bens não transacionaveis é menor em dólares. Logo seria de se esperar que em países mais pobres e com rendas per capita menores, o Big Mac custasse menos já que salários e aluguéis são relativamente menores. De fato, fazendo uma regressão entre nível de renda per capita e preço do Big Mac em dólares não é difícil perceber essa relação. Países mais pobres têm o Big Mac em dólares mais barato (gráfico abaixo)

Quando levamos em conta nosso nível de renda per capita menor do que em muitos países do mundo nosso cambio de equilíbrio PPP deveria ser, segundo os cálculos da revista The Economist, 19% mais desvalorizado do que os R$5.34 de 15 de julho de 2020, ou seja R$6,35. Temos então uma conta de  cambio de equilíbrio  PPP Big Mac

Esse ajuste de renda per capita que a The Economist faz chamamos de ajuste balassa-samuleson que leva em conta a ideia de que em países ricos o preco dos non-tradebles fica mais elevado em dólar do que em países pobres. Parte do  aumento de produtividade que ocorre no setor de tradables durante o processo de desenvolvimento economico é passado aos salários. Como o aumento de produtividade no setor de non tradables é menor, os preços nesse setor sobem mais do que no setor de tradabales para que se possa pagar salários mais elevados mantendo lucratividade. Claro que o uso do Big Mac como cesta de comparação internacional é considerada relativamente precária.

A metodologia PPP desenvolvida por Summers e Heston (1991) usa cestas comparáveis ao redor do mundo para calcular esses preços internacionais de maneira mais “séria”. Por exemplo o Brasil em 2019 segundo as contas PPP da metodologia Summers e Heston deveria ter uma taxa de câmbio de R$2,25 (dado de 2019, ultimo disponível) para ter uma cesta padrão custando o mesmo em dólares aqui e nos EUA. Só que o Brasil tem uma renda per capita 6x menor do que a dos EUA, então essa cesta deveria custar bem menos aqui, ou seja nosso câmbio PPP deveria ser bem mais desvalorizado. Mas quanto? Dani Rodrik (2008) usa uma metodologia interessante para calcular isso usando novamente a ideia de Balassa-Samulson. Ele usa a razão do câmbio nominal corrente/câmbio PPP para ver se a taxa de câmbio vale muito/sobrevalorizada (razâo menor do que 1) ou se vale pouco/subvalorizada (razão maior do que 1).

No gráfico abaixo vemos que há um padrão bem forte entre a renda per capita dos países e essa razão que igualaria o preço das cestas no mundo a dos EUA levando em conta as rendas per capita relativas. Países ricos têm uma cesta cara e países pobres têm uma cesta barata em dólares. Podemos agora finalmente calcular quanto deveria se nossa taxa de câmbio hoje para que a cesta no Brasil custasse o que deveria custar levando em conta nosso nível de renda per capita. O resultado dessa conta é de R$6,67 com uma reta de regressão linear. Usando um ajuste exponencial esse número seria de aproximadamente R$6,04. Ver dados e contas abaixo

 

conta para Brasil
Razão cambio nominal/ cambio PPP para Brasil estimada pela reta de regressão balassa samuelson (A) 2,963990849
PPP conversão Brasil summers-heston 2019 2,253442389
Razão Rodrik: Câmbio nominal no Brasil em julho de 2020 (5,34)/ cambio ppp summers Heston (2,25) 2,369907492
razao estimada (2,96) x ppp conv 2,25= cambio de equilíbrio PPP 6,679182619

Resumindo as contas: Summers e Heston calculam um câmbio PPP para o Brasil de R$2,25 em 2019. Como nosso câmbio estava em R$5,34 em julho de 2020, podemos dizer que na razão Rodrik nosso cambio estava 2,36 mais desvalorizado do que deveria em relação a indicação PPP. Como o Brasil tem uma renda per capita 6 menor do que dos EUA essa razão deveria ser de 2,96 segunda a estimativa da reta de regressão linear. Então se aplicarmos essa razão de 2,96 a taxa de cambio PPP de Summers e Heston de R$2,25 chegamos a taxa de câmbio de equilíbrio PPP ajustado por renda per capita no Brasil de R$6,67. Usando um ajuste exponencial (gráfico abaixo) esse número seria de aproximadamente R$6,04

paper Dani Rodrik:

http://inctpped.ie.ufrj.br/spiderweb/pdf_2/6_%20frenkel_real_exchange.pdf

Big Mac The Economist:

https://www.economist.com/news/2020/07/15/the-big-mac-index

 

3 thoughts on “O câmbio de equilíbrio (PPP) no Brasil está entre R$6,04 e R$6,67 em 2020”

  1. Paulo Gala, não sou economista e costumo segui-lo no youtube e ler algumas colunas, mas essa coluna tá osso, o economês pegou forte. “Fale português, Paulo” (parodiando Whoopi Goldberg em um filme, ouvindo Mick Jagger – “Speak english, Mick”)

  2. É complicado entender essa coluna sem entender o economês. O que são as PPP a que você se refere no texto, trocando em miudos? Também não sou economista. Concordo com a Tânia Maria Vasques acima. Sem economês, essa coluna está osso! (rs, rs!)

Deixe uma resposta