O incrível sucesso da era Meiji no Japão: indústria, tecnologia e estado

*escrito por Leonardo Leal de Lima

No ano de 1868 o Japão estava no auge de seu sistema feudal, dominado pelos Xoguns e samurais. 40 anos depois se tornaria a maior potência econômica, industrial e militar asiática, derrotando a forte Rússia czarista numa guerra. Como isso foi possível? Tudo começa quando um monarca que assume o trono do Crisântemo e recupera o poder central do Japão para implementar uma série de reformas modernizadoras com participação estatal em várias frentes. Esse imperador, cujo nome era Mutsuhito ficou conhecido na história como Meiji. Montando um estado centralizador, levando a cabo reformas como agrária, política, educacional (formação das primeiras universidades) militar (criação exército e marinha imperiais) e, econômica; criação de um banco central e moeda única, mas principalmente (e o que ficou mais caracterizada), os alicerces da industrialização japonesa. Quem lideraria tal empreitada ? A elite feudal despojada de suas terras e demais privilégios com essas reformas. O novo estado japonês redirecionou, de forma compensatória, o privilégio dessas em liderar o esforço de industrialização da era Meiji. Nasciam aí os Zaibatsus, como a Mitsui, Mitsubishi, Suomitomo, etc… Através do intercâmbio com o ocidente, onde absorveram os conhecimentos técnicos/científicos para o desenvolvimento industrial, comercial e financeiro, o Império do Japão, através de seu estado restaurador, ingressa na segunda revolução industrial. Em 1940 o Japão já detinha o mais avançado caça de guerra da época, o Zero A6M, da Mitsubishi, e lançava ao mar o encouraçado Yamato que daria enorme trabalho aos americanos nas batalhas do pacífico. Em 50 anos o país saiu da pobreza para brigar de igual para igual com as grandes potências nas guerras mundiais.

4 thoughts on “O incrível sucesso da era Meiji no Japão: indústria, tecnologia e estado”

  1. mas o pais ainda não era pobre e sem recursos para uma reforma tão grande? agricultura atrasada e poucas terras cultiváveis.

Deixe uma resposta