O plano da China de U$1,4 trilhão para dominar a indústria mundial de semicondutores até 2025

*escrito com Uallace Moreira

Em resposta às restrições dos EUA às importações chinesas de chips de computador de ponta feitos com equipamentos americanos, a China elabora um plano para dominar a indústria mundial de semicondutores até 2025. Os novos regulamentos dos EUA, publicados em julho, contra os fabricantes de equipamentos de telecomunicações da China Huawei e ZTE, impedem a Huawei de produzir sua linha de produtos. Ref

https://twitter.com/moreira_uallace/status/1296542453240139780

A China importa US$ 300 bilhões em chips de computador por ano e seus esforços para construir uma indústria doméstica de fabricação desses itens até agora produziram resultados pouco satisfatórios. Os chips de computador, a tecnologia central da era digital, são uma prioridade no plano de cinco anos proposto pela China de US $ 1,4 trilhão para ultrapassar os EUA. As iniciativas chinesas incluem 4 dimensões:

1º dimensão: Contratação de milhares de engenheiros de fabricação de chips de Taiwan para trabalhar no continente pagando o dobro. As empresas chinesas já haviam contratado 3.000 engenheiros de chips taiwaneses no final do ano passado, de acordo com vários relatórios. No início deste ano, a China atraiu 100 dos principais engenheiros da Taiwan Semiconductor Manufacturing (TSMC).

2º dimensão: Uma nova aliança de pesquisa com a Rússia, uma potência científica que forma mais engenheiros a cada ano do que os Estados Unidos. A Huawei está expandindo suas operações de P&D, principalmente na Rússia, que também está construindo o sistema nacional de banda larga 5G. O fundador da Huawei, Ren Zhengfei: “Depois que os Estados Unidos nos incluíram na Lista de Entidades, transferimos nosso investimento nos Estados Unidos para a Rússia, aumentamos o investimento russo, expandimos a equipe de cientistas russos e aumentamos o salário dos cientistas russos”.

3º dimensão: Um programa para produção de chips de última geração na China. O maior fabricante de semicondutores da China, SMIC, pode produzir chips com uma largura de porta de transistor de 14 nanômetros, o suficiente para alimentar estações-base 5G ou smartphones Huawei de baixo custo. Somente a Taiwan Semiconductor e a Samsung da Coréia do Sul podem produzir os chips de 7 nanômetros usados nos telefones tops de linha da Huawei. As probabilidades são de que a Huawei será capaz de produzir um chipset Kirin de 7 nanômetros de última geração dentro da China sem equipamento dos EUA antes do final de 2021.

4º dimensão: Linhas de produção de semicondutores eliminadas de equipamentos americanos. A Huawei planeja construir suas próprias fábricas. O projeto de fabricação do chip “Tashan” da Huawei foi em agosto. A Huawei está construindo suas próprias instalações de produção com uma linha de produção desamericanizada. 

Fonte:

https://asiatimes.com/2020/09/huawei-sanctions-will-destroy-us-chip-industry/

1 thought on “O plano da China de U$1,4 trilhão para dominar a indústria mundial de semicondutores até 2025”

  1. O título da matéria está errado: a estimativa de U$1,4 trilhão refere-se aos investimentos estimados pela CCID para os investimentos nas “novas infraestruturas” até 2025: 5G, inteligência artificial, centros de Big Data, Internet Industrial, UHV, transporte ferroviário de alta velocidade e baterias para carregamento de veículos elétricos. Óbvio que uma grande parte dessas infraestruturas depende de desenvolvimentos em semicondutores e, pode ser, que uma parte dos investimentos esperados acabem destinando-se para semicondutores (ex: chips de IA), mas esses investimentos estimados não são para indústria de semicondutores. O novo plano para semicondutores ainda não saiu, assim, os valores ainda são desconhecidos.

Deixe uma resposta