O segredo da Coréia do Sul: barcos, tanques, Telas HD, semicondutores, tratores, smartphones, etc… (e o Brasil?)

*escrito com Fausto Oliveira

O sucesso coreano não se resume a “indústria” entendida como fábrica. É uma rede de conhecimento e produção que se retroalimenta com cada vez mais diversificação e sofisticação. Economia de escopo e de escala. Tecido produtivo denso que o BR tentou ter, mas perdeu. Nossa “indústria” produz sapatos em Birigüi (a tip top), diferente de uma “indústria” que produz semicondutores em Ulsan (a Samsung) TECLA SAP: Brazil pobre, Korea rica! Economistas do Mainstream, por favor, não é difícil entender isso! Vejamos. A LG Chem, uma das maiores indústrias químicas do mundo, produz entre muitas outras coisas a tecnologia exclusiva do retardador 3D para telas LCD, que polariza a imagem de uma tela LCD para enviar sinais óticos distintos ao olho direito e ao esquerdo. Todo mundo já viu carro Hyundai, claro. Mas e as placas de memória e semicondutores Hyundai, feitos pela subsidiária SK Hynix? Talvez você esteja usando um agora.

O carro de combate T-155 Firtina é um projeto militar turco desenvolvido pela Coreia. Exportação de tecnologia militar. Só esse projeto custou à Turquia US$ 1 bilhão, devidamente depositados nos cofres da Samsung Techwin (atual Hanwha Techwin).

Este é o Makassar, navio de guerra anfíbio tipo Landing Platform Dock (LPD), projeto da DaeSun Shipbuilding que já chegou às marinhas da Indonésia, Filipinas, Peru e Mianmar.

Com quase 830 metros de altura, o Burj Khalifa em Dubai foi construído pela divisão de construção e engenharia da Samsung. Exportação de serviços sofisticados exportando tecnologia coreana pelo mundo.

A exportação de serviços de engenharia leva equipamentos nacionais, com esta miniescavadeira elétrica Hyundai, protótipo que por sua vez carrega dentro de si os encadeamentos tecnológicos que fazem a glória do país.

2 thoughts on “O segredo da Coréia do Sul: barcos, tanques, Telas HD, semicondutores, tratores, smartphones, etc… (e o Brasil?)”

  1. Sobre a exportação de serviços, eu imagino que a Coréia do Sul deva possuir alguma instituição financeira para a realização desses empreendimentos. Algo parecido que tentamos fazer com o BNDES e foi tão duramente censurado… Estranho que o que dá certo com os outros é taxativamente proibido para nós.

  2. esse tanque turco feito pela Korea me lembrou os antigos jeeps da IMBEL e o famoso lançador ASTRO exportado e usado na guerra Irã vs Iraque e na guerra do Golfo Pérsico… uma pena o Brasil ter ficado para trás.

Deixe uma resposta