Positivo, o caso brasileiro de “tecnologia” em computadores, tablets e celulares

A empresa junta componentes eletrônicos a um processador importado da Intel. Faz celular puro por R$99,00 mas nمo é smartphone/ agora fizeram um celular novo por R$300,00 que usarل whatsapp por voz sَ, sem touch screen. Os smartphones custam R$1.000. Quase 100% é produzido em Manaus e conta com os subsيdios da Zona Franca. Hoje 1/3 da receita é governo: escola pْblica, tribunais e outros َrgمos pْblicos. Em computadores tem 16% do share do mercado em volume com produto super barato: notebooks por R$800,00 até R$5.000,00 na parceira com Sony Vaio. Hoje a receita da empresa se divide em quase 1/3 computadores (concorrente LeNovo e HP), 1/3 tablets e 1/3 celulares. Tablets começam a ser vendidos por R$300,00. O modelo de negَcio é importar processador da Intel e montar o “entorno”. A dependência de Intel é total. A desvalorizaçمo do câmbio atrapalha pois o insumo core é importado.

4 thoughts on “Positivo, o caso brasileiro de “tecnologia” em computadores, tablets e celulares”

  1. A desvalorização do Real atrapalha no quê, já que todos os produtos da concorrência também são importados?

  2. Olá, Paulo. Texto curto e objetivo! Entretanto, tem algum erros de caracteres que vale dar uma olhada e corrigida. Um grande abraço!

  3. Obrigado Paulo por falar sob, já que te cobrei esse assunto a tempos atras.
    Além das observações apontadas, ainda tem o fator cultural doméstico, quando você fala de produto positivo para alguém, estes associa a produto de baixa qualidade, com certo menosprezo.

Deixe uma resposta