Se a produtividade dos barbeiros é a mesma no mundo, por quê há tanta diferença de salários?

O gráfico acima mostra a relação entre renda per per capita dos diversos países e preço dos cortes de cabelo em 2015. As diferenças são gigantescas conforme podemos perceber comparando os países pobres e ricos. A pergunta que fica é: se a produtividade de um cabeleireiro é absolutamente a mesma em todos os lugares do mundo, por que custa tão caro cortar cabelo num país rico? Assumindo que o grosso do custo do corte de cabelo vai para o cabeleireiro, mesmo que o imóvel seja caro e o lucro bom, não é difícil perceber que toda a diferença dos preços de cortes de cabelo está nas diferenças de salários pagos. Mas como os cabeleireiros dos países ricos ganham tanto mais (10x) do que o cabeleireiros do países pobres se eles fazem exatamente a mesma coisa e tem a mesma produtividade física? Quem explicou isso muito bem foram 3 economistas nos anos 60: Paul Samuelson, Bela Balassa e William Baumol.

Samuelson e Balassa escreveram quase que simultaneamente o que ficou conhecido na literatura como efeito Balassa Samuelson: os ganhos de produtividade de um economia ocorrem principalmente no setor de bens transacionáveis (manufaturas e commodities) e não no setor de bens não tradables (serviços). Esses aumentos de produtividade no setor de tradables causa aumento de salários que transborda para o setor de não tradables. Como não há aumento de produtividade relevante no setor de não tradables, os preços lá sobem mais do que no setor de tradables: o preço dos cortes de cabelo fica mais caro nos países ricos. Baumol fala a mesma coisa só que usa a divisão serviços e bens. Para Baumol o aumento de produtividade ocorre principalmente no setor de bens. Os serviços não conseguem aumentar produtividade por definição: músicos, educação, garçons, cabeleireiros. São iguais em todos os lugares. O aumento de produtividade no setor de bens acaba pressionando também os salários dos setores de serviços; os preços e salários desse setor sobem, na ausência de aumentos de produtividade.

A explosão de produtividade dos setores manufatureiros e de serviços sofisticados nos países ricos vaza para os salários de serviços não sofisticados (cortes de cabelo). A produtividade da indústria vai parar no preço do corte de cabelo! O brutal diferencial de produtividade entre países pobres e ricos pode ser encontrado nos preços dos bens não transacionáveis convertidos em dólar.

paper veloso sobre o tema:

http://www.fgv.br/professor/epge/ferreira/ProdutividadeSetorialFinal.pdf?fbclid=IwAR1-caWNQOC8IwN7-AkahW1f1fImzL-6-3q41YGy1f5rc3IRivftYAkkgbY



1 thought on “Se a produtividade dos barbeiros é a mesma no mundo, por quê há tanta diferença de salários?”

  1. “os ganhos de produtividade de um economia ocorrem principalmente no setor de bens transacionáveis (manufaturas e commodities)”

    De 1990 a 2007, o aumento da produtividade manufatureira da economia chefe do mundo, EUA, foi de 5% ao ano.

    De 2007 a 2016 foi de 1,5% ao ano

    As coisas não estão bem no centro do mundo também

    https://www.bls.gov/lpc/mfgbar.gif

Deixe uma resposta