Recuperação em V no Brasil?

A inflação não voltará com força no Brasil pois a crise no mercado de trabalho dificulta os repasses de preços do atacado ao varejo. Apesar do salto dos IGPs, devemos ver nos próximos meses um arrefecimento. A forte alta de preços já disparou gatilhos de produção que estavam enferrujados. A oferta responderá à alta de demanda e os preços de commodities e insumos da construção civil devem parar de subir já nos próximos meses. Esse mecanismo está em operação tanto no mercado mundial quanto no doméstico. No front cambial, o BC tem muita munição que não está utilizando. O grande boom de preços de commodities trará mais dólares ao país, tanto neste ano quanto no próximo. A moeda brasileira tem uma das piores performances do mundo, tornando todos os preços brasileiros baratos: ativos financeiros, bens e serviços. A trajetória mais provável para esse final de ano é de arrefecimento da pressão inflacionária. A inflação irá convergir, uma vez que hoje existe brutal capacidade ociosa na indústria, no setor imobiliário, no varejo em geral e no mercado de trabalho. Os salários reais seguem deprimidos, o nível da produção industrial em mínimas históricas em termos de volumes, próxima ao patamar de 2007, o consumo e investimento agregados estão ainda muito deprimidos.

4 thoughts on “Recuperação em V no Brasil?”

  1. Paulo, há um ponto que queria seu comentário. A despeito da brutal capacidade ociosa, com a recessão profunda e prolongada, o organismo econômico teve uma perda definitiva de produtividade, o que leva a uma dificuldade extra na recuperação da oferta, que não será feita sem inflação. Ou seja, minha avaliação é que existe uma capacidade ociosa nominal maior que aquela que oferece uma recuperação sem pressionar os preços.

Deixe uma resposta