Somos o país da sobremesa!

“País de sobremesa. Exportamos bananas, castanhas-do-pará, cacau, café, coco e fumo. País laranja! (…). Os nossos economistas, os nossos políticos, os nossos estadistas deviam refletir sobre este resultado sintético da história pátria. Somos um país de sobremesa. Com açúcar, café e fumo só podemos figurar no fim dos menus imperialistas. Claro que sobremesa nunca foi essencial.” Oswald de Andrade, 1937”

Participei recentemente da Banca de mestrado do incrível trabalho de Felipe Augusto. O texto analisa 10 anos de política industrial no Brasil da ótica da complexidade econômica com foco nos financiamentos do BNDES. A epígrafe de Oswald de Andrade que abre o trabalho de Felipe resume o porquê de nossa pobreza. O autor nos mostra como infelizmente nossas políticas industriais conduzidas de 2003 a 2013 reforçaram esse padrão produtivo no Brasil. O banco foi pouco ousado, financiou atividades e produtos em que já tínhamos enormes vantagens comparativas. Não contribuiu para o surgimento de novas atividades e produtos mais complexos e sofisticados. Manteve e até reforçou o desenho de nossa estrutura produtiva. Está cada vez mais difícil para o Brasil sair da armadilha da renda média. Continuaremos um país relativamente pobre e injusto. Temos que reforçar o BNDES e usá-lo de maneira estratégica como fazem China, Alemanha, Reino Unido, Franca, etc… Mudar a estrtutura produtiva de um pais no sentido de enriquecimento nao e tarefa facil. o mercado sozinho nao consegue!

3 thoughts on “Somos o país da sobremesa!”

  1. Muitos países foram em busca da moeda global passando a produzir para exportar. Quem não conseguia, tomava financiamento externo. O Brasil ficou produzindo a sobremesa pouco valorizada no mercado e que gera empregos sem especialização. O que aconteceria se os países se voltassem para atender primeiro a população interna, deixando excedentes para exportar?

  2. Paulo, você pode disponibilizar essa dissertação? Eu gostaria de ler – não achei online!
    Obrigada

Deixe uma resposta