Um difícil começo para o Brasil em 2019

O começo de 2019 trouxe algumas novidades importantes para o cenário macro brasileiro: a)nossa recuperação está mais lenta do que se imaginava, ii)o novo governo terá mais dificuldade do que o mercado financeiro imaginava para negociar com o Congresso. Os dados referentes a produção industrial e varejo no Brasil mostraram desaceleração no final do ano passado. O PIB de 2018 ficou aquém do esperado mostrando crescimento na casa de 1,1%, praticamente estagnação em relação a 2017. A formação bruta de capital fixo (investimento) voltou a mostrar queda no último trimestre do ano. Os indicadores preliminares de atividade mostram um começo de 2019 difícil, com aumento de probabilidade de corte de taxa de juros SELIC no Brasil . No front das reformas o governo Bolsonaro patina e tudo será mais difícil do que se imaginava inicialmente. A articulação no congresso segue complicada e reforma da previdência não será facilmente aprovada. Os ativos de risco reagiram a esse cenário com abertura de taxas de juros, relativa queda do IBOVESPA e perda de valor da moeda brasileira. Houve destruicao de vagas formais de trabalho em Março e a arrecadação de impostos do governo federal voltou a cair

La fora o destaque fica com a desaceleração não esperada da zona do Euro. Muitos países apresentaram queda do PIB no ultimo trimestre de 2018, sendo que ate mesmo a locomotiva alemã quse caiu no buraco do PIB negativo. O banco central europeu já anunciou novo “pacotinho” de estímulos e altas de juros ficam para 2020, se e que virao. A atividade na China e EUA segue o mesmo curso. O FED sinalizou que vai parar com altas de juros e novos programas de estimulam começam a voltar a mesa para discussão. O crescimento mundial em 2019 será certamente menor do que em 2018. As bolsas de países ricos sofrem com esse cenário. Por outro lado vem algum afago para países emergentes na foram de juros mais baixos. As taxa de 10 anos nos EUA seguem bem abaixo dos 3%, na Alemanha voltaram a 0% e no Japão continuam onde sempre estiveram. Algum risco permanece no horizonte por conta de alta de inflação nos EUA. O pleno emprego por la começa a trazer aumentos salarias e isso poderia novamente mudar o comportamento do Banco Central. Aula que gravei sobre o tema:

1 thought on “Um difícil começo para o Brasil em 2019”

  1. Juros de 6,5% impactam aumentando a dívida em mais de 300 bilhões de reais por ano. Imagine se fosse o dobro. A economia permanece estagnada com produção fraca e poucos empregos. É preciso abrir os olhos e ver qual é a realidade da economia global e fazer esforço efetivo por um Brasil melhor, com menos precariedades gerais. O que será da economia globalizada?

Deixe uma resposta