Um resumo da obra Grande Sertão Veredas

“Grande Sertão: Veredas”, escrito por João Guimarães Rosa, é um dos marcos da literatura brasileira, publicado em 1956. A obra é narrada em primeira pessoa por Riobaldo, um ex-jagunço que conta a história de sua vida e suas aventuras no sertão mineiro. O romance é uma profunda exploração da condição humana, da luta entre o bem e o mal, e dos dilemas existenciais.

### Enredo

Riobaldo relata suas experiências no sertão, desde sua infância até sua vida adulta como jagunço. Ele descreve seu envolvimento com diversos bandos de jagunços, suas batalhas, alianças e traições. Um dos eixos centrais da narrativa é a sua relação complexa e intensa com Diadorim, um companheiro de luta por quem Riobaldo nutre sentimentos profundos e ambíguos.

A trama é marcada por um forte componente filosófico e metafísico, especialmente na figura do pacto que Riobaldo acredita ter feito com o diabo para alcançar poder e vingança contra Hermógenes, seu maior inimigo. Esse pacto é um dos elementos que alimentam suas dúvidas e reflexões sobre a existência do mal e sua própria moralidade.

### Temas Principais

– **Luta entre o Bem e o Mal:** A obra explora profundamente o dualismo entre bem e mal, não apenas em ações e personagens, mas também na própria consciência de Riobaldo.

– **Identidade e Sexualidade:** A relação entre Riobaldo e Diadorim é central para a narrativa, levantando questões sobre identidade, amor e sexualidade, especialmente quando se revela que Diadorim é, na verdade, uma mulher disfarçada de homem.

– **O Sertão como Personagem:** O sertão não é apenas o cenário, mas um personagem em si, moldando a vida e a filosofia dos personagens. A paisagem árida e desafiadora reflete a dureza e a beleza da vida sertaneja.

– **Existencialismo e Metafísica:** A obra está repleta de reflexões filosóficas sobre a existência, a morte, Deus e o diabo, questionando as certezas e crenças do protagonista e, por extensão, do leitor.

### Estrutura e Estilo

O estilo de Guimarães Rosa é notável por sua inovação linguística, utilizando um português arcaico e regional, cheio de neologismos e experimentações com a linguagem. A narrativa é não linear, com Riobaldo saltando entre diferentes momentos de sua vida, o que reflete a natureza fragmentada e subjetiva de suas memórias e pensamentos.

### Conclusão

“Grande Sertão: Veredas” é uma obra rica e complexa, que vai além de uma simples narrativa de aventuras para se tornar uma meditação profunda sobre a vida humana. Através da jornada de Riobaldo, Guimarães Rosa convida os leitores a explorar os veredas do sertão e da alma humana, desvendando as múltiplas facetas da condição humana.

Deixe uma resposta