Redes produtivas: personbyte, firmbyte e cadeias globais de valor

Quando existem retornos crescentes de escala em uma firma ou setor, o aumento da quantidade de utilização de um fator de produção determina um aumento mais do que proporcional da quantidade do produto final. Por exemplo, um aumento de 10% da força de trabalho determina um aumento de 15% da produção. Empresas ou setores que […]

Politica industrial na China: caso de sucesso

Num importante trabalho sobre o papel das exportações no processo de desenvolvimento da China, Rodrik (2006) traz interessantes contribuições  para se entender o milagre chinês. Segundo a analise de Rodrik, as políticas governamentais chinesas ajudaram sobremaneira a fomentar as capacidades produtivas locais em eletrônicos de consumo, autopeças e outras áreas voltadas a produção para vender […]

Sistemas nacionais de inovação: o caso da EMBRAER

A EMBRAER nasceu como uma iniciativa do governo brasileiro dentro de um projeto estratégico para se implementar a industria aeronáutica no país. São considerados os precursores da Embraer o antigo Centro Técnico Aeroespacial (CTA), que em 2009 passou a ser denominado Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA) e o Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA). Ambas as instituições foram […]

Sem indústria não há produtividade agregada

Voltando a Adam Smith, a indústria permite maior divisão do trabalho por conta de suas características intrínsecas de produção, a saber, na produção manufatureira sempre há um encadeamento longo de etapas produtivas. Para se chegar ao carro por exemplo, tem que se fazer o motor, os pneus, o chassi, os vidros, os bancos, etc. Encadeamento […]

O Atlas da Complexidade Econômica: um novo breakthrough empírico para os economistas estruturalistas

Para os clássicos do desenvolvimento econômico, Nurkse, Myrdal, Rosestein-Rodan, Hirschman, Myrdal, Prebisch e Furtado, as atividades produtivas são diferentes em termos de suas habilidades para gerar crescimento e desenvolvimento. Atividades com altos retornos crescentes, alta incidência de inovações tecnológicas e altas sinergias decorrentes de divisão do trabalho são fortemente indutoras de desenvolvimento econômico. São atividades […]

A pobreza do estado de Chiapas no Mexico: falta de complexidade

O caminho para a evolução da complexidade pode ser bastante tortuoso. Inclusive do ponto de vista regional, um aumento de complexidade e produtividade resulta sempre em aumento de desigualdade num primeiro momento. A região que passa por aumento de complexidade apresenta enorme salto de renda em relacao as regiões ou cidade que não passaram por […]

A Ásia de sucesso se especializou em produzir manufaturas para o resto do mundo

As oito principais economias asiáticas, Japão, Coréia do Sul, Taiwan, Cingapura, Hong Kong, Indonésia, Malásia e Tailândia cresceram em termos per capita a uma taxa de 5,5% ao ano no período 1965-1990. Nos anos 90, mesmo com a crise de 1997, a taxa média de crescimento per capita desses países, com a exceção do Japão, […]

São Paulo produz 4x mais do que Minas e Rio e 20x mais do que os estados do Nordeste

Complexidade produtiva é indústria e serviços empresárias escaláveis. Quando instalada essa estrutura vira uma bomba de sucção regional graças às absurdas economias de escala e escopo. A nova geografia econômica explica isso de maneira ridiculamente simples. Podemos ler também que a complexidade produtiva (o ECI) mede o conhecimento acumulado no sistema produtivo de cada pais. […]

Países com redes produtivas locais mais sofisticadas são ricos

Os gráficos abaixo retirados do Atlas da Complexidade Econômica mostram as redes produtivas para o setor de bens transacionáveis para 4 países com exportações de mesma magnitude (entre U$250bi e U$300bi): Suíça, Malásia, Espanha e Brasil. Qual e’ a grande diferença entre esses 4 países observada nos gráficos? Suíça e Espanha tem redes mais densas, […]

O tipo de bem produzido condiciona a riqueza de uma nação

O que observamos na pratica sobre o desenvolvimento econômico? Tomemos por exemplo o estado alemão de Baden-Wurttemberg que conta com 10 milhoes de habitantes e produz o equivalente ao PIB norueguês e 3x mais do que o PIB português. O que se produz lá que faz com que as pessoas sejam tão ricas e eficientes? […]

A desigualdade de um país diminui conforme sua complexidade econômica aumenta 

Num instigante trabalho que conecta complexidade, instituições e desigualdade Dominik Hartman, Cesar Hidalgo et el conseguem demonstrar de maneira robusta que países mais complexos apresentam níveis de desigualdade menores medidos por coeficientes gini. Os autores constroem uma criativa metodologia de índice gini ajustado por complexidade do tecido produtivo e chegam a resultados impressionantes em termos […]

As redes produtivas locais determinam a riqueza de um país!

As atividades com retornos crescentes de escala exibem fortes externalidades de redes e dinâmicas de aglomeração onde os “first movers” ganham posição de destaque no mercado. São dinâmicas com lock in e portanto “path dependent”. Estão em geral localizadas no setor de bens transacionáveis não-commodities de uma economia. O “filet mignon” da produtividade de um […]

A fábrica de alfinetes de Adam Smith

A divisão do trabalho, “causa do aprimoramento das forças produtivas”, aparece na obra de Smith como um dos pilares do avanço produtivo e, portanto, dos ganhos de produtividade. O famoso exemplo da fábrica de alfinetes mostra em detalhe como a especialização produtiva e a divisão de tarefas traz ganhos de produtividade. Para Adam Smith a divisão […]

Os produtos do desenvolvimento econômico

A chave para se entender os modelos e ideias da CEPAL e estruturalistas em geral está em perceber que a desagregação por produtos é tarefa fundamental do ponto de visita analítico; não é possível entender o desenvolvimento econômico sem se estudar as especificidades tecnológicas e produtivas de cada tipo ou categoria de bem. Para os […]

A China consome quase metade das commodities do mundo!

Em 15 anos o consumo de commodities metálicas e de carvão na China superou todo o consumo do resto do mundo! Os preços explodiram e forçaram a América latina e África à se especializarem ainda mais na produção desses bens. O processo de desindustrialização se agravou, especialmente no Brasil. Ver China a hora da verdade